Programa Jaguaré Caminhos: 35 anos de história

Programa social da Congregação de Santa Cruz comemorou 35 anos no último dia 27 

Foto: Divulgação Programa Jaguaré Caminhos

Em 1987, 26 mães da comunidade Vila Nova Jaguaré manifestaram sua preocupação sobre o cuidado com seus filhos, uma vez que, na ausência de serviços extensivos de creche, não tinham com quem deixá-los durante o período de trabalho.  

Em outras palavras, a comunidade não contava com o atendimento para a educação infantil pública e, já naquela época, os valores para a educação particular em São Paulo ultrapassavam os orçamentos familiares. A solicitação daquelas mães encontrava-se perfeitamente com a missão deixada à Congregação de Santa Cruz por seu fundador, Pe. Basílio Moreau, de oferecer educação integral e de qualidade a todos, sempre com base na escuta e na necessidade real do local. 

A consulta ao Pe. Roberto Grandmaison, religioso da Congregação de Santa Cruz, que estava fora do país em ano sabático, resultou em resposta enfática: só daria autorização para a ampliação do projeto caso as lideranças comunitárias fossem respeitadas. Residente da Vila Jaguaré, Pe. Roberto era muito ativo e querido por lá. Justamente por isso, prezava pela preservação integral da identidade comunitária.  

Atendendo à solicitação das mães e ao direcionamento do Pe. Roberto, nasceu, então, a iniciativa que, anos mais tarde, viria a se chamar Programa Jaguaré Caminhos. O Programa tem como missão proporcionar educação em todas as dimensões, do saber formal, da ética, da moral e da religiosidade, para crianças, adolescentes, jovens e famílias do Jaguaré em situação de vulnerabilidade social. Assim, o Programa os auxilia a caminhar em direção ao desenvolvimento individual e social, com condições para o exercício pleno da cidadania.  

Hoje, o Programa Jaguaré Caminhos conta com uma estrutura completa e grande credibilidade por toda a sua trajetória e transformações propiciadas a vida de tantas pessoas. Atualmente, possui sete unidades distribuídas, sendo seis delas na Comunidade Vila Nova Jaguaré, em São Paulo (CCA Santa Cruz, CCA Bom Jesus, CEI Santa Luzia, CEI Vila Nova, CCP e CIE), e uma em Pinheiros (SAV), atendendo no total cerca de 1.500 pessoas por mês 

A Congregação de Santa Cruz deseja a toda a equipe de colaboradores e voluntários do Programa Jaguaré Caminhos um novo capítulo de muita prosperidade e serenidade, para dar continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido, com a participação de grupos e lideranças locais, sob inspiração da Congregação. Que Deus os abençoe e que Pe. Basílio Moreau ilumine a caminhada do Programa, em conjunto com a comunidade Vila Nova Jaguaré! 

Dia Mundial da Educação: o caminho para um mundo melhor

No Dia Mundial da Educação, a Congregação de Santa Cruz celebra um dos pilares estruturais de sua missão

Hoje, dia 28 de abril, comemora-se o Dia Mundial da Educação. Responsável por construir valor sociais, éticos e morais, essenciais ao desenvolvimento e formação integral de cada ser humano, a educação é a batuta que rege o mundo em que vivemos. Transmitir educação vai além das salas de aula e das atividades acadêmicas; educar significa moldar um individuo para que ele possa, seguindo seus princípios e habilidades, contribuir para a sociedade na qual está inserido.  

O Dia Mundial da Educação foi instituído em 2000, no Fórum Mundial da Educação. O evento tinha como principal objetivo firmar com os 164 líderes mundiais presentes o compromisso de levar a educação básica e secundária a todas as crianças e jovens do mundo até 2030. Os participantes assinaram o documento “Marco de ação de Dakar, educação para todos: cumprindo nossos objetivos coletivos”.  

A declaração apresenta ainda seis metas firmadas que deveriam ser seguidas pelos países concordantes. Estes objetivos buscavam facilitar e assegurar o acesso à educação de qualidade e eliminar desigualdades sociais e de gênero. Hoje, consideramos o dia 28 de abril como Dia Mundial da Educação em comemoração à realização deste evento, embora a data não seja oficialmente reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU).  

Para a Congregação de Santa Cruz, a data assume nova importância, pois celebra e incentiva um de principais pilares da edificação de sua Missão, proposta pelo Pe. Basílio Moreau, seu fundador, em 1857. Moreau fundou a Congregação com a missão de formar e fazer verdadeira a presença de Cristo no mundo por meio de obras apostólicas de educação e pregação. Ele, que hoje ocupa a posição de beato da igreja católica, acreditava que a educação estimula também a consciência cristã e a busca por novos conhecimentos, que auxiliam na construção de um mundo mais unido e de fé.  

A Congregação de Santa Cruz é orgulhosa mantenedora de três estimados colégios cristãos no Brasil: Colégio Dom Amando, em Santarém (PA); Colégio Notre Dame, em Campinas (SP); e Colégio Santa Cruz, em São Paulo (SP). Estas instituições de ensino trabalham na formação integral de seus estudantes, para que possam se desenvolver acadêmica e pessoalmente, através da promoção de inovação e caridade nas comunidades nas quais estão inseridas.  

Dentro das salas de aula, os Colégios buscam elevar o nível educacional, oferecendo ensino de alta qualidade e incentivando o pensamento crítico de seus alunos em relação às mais diversas questões do mundo. Fora delas, as escolas incentivam ações sociais que visam famílias em situação de vulnerabilidade social em suas comunidades, como a oferta de bolsas de estudo e projetos de auxílio à essas pessoas.  

Além dos Colégios, a Congregação de Santa Cruz mantém unidades sociais que promovem a educação em sentido mais amplo, transformando os cidadãos em sua totalidade para a geração do bem-comum.  

CSC Depoimentos: Convocation 2022

Colaboradores do Colégio Notre Dame relatam suas experiências durante a Convocation 2022, nos Estados Unidos.

Relato feito por Daniel Cavalheri Angelon

No mês de março, tive o privilégio de poder vivenciar a Convocation 2022 da Congregação de Santa Cruz. No encontro havia representantes de vários locais do mundo.

O encontro aconteceu em Austin, Texas, na universidade de St. Edward’s, que fica sob os cuidados da Congregação de Santa Cruz.

Ao conhecer o campus da universidade, já fiquei encantado com tamanha beleza e cuidado. Em todo o Campus há muito verde, e os prédios com belas arquiteturas. Parte dos prédios têm nomes dos religiosos de Santa Cruz, com placas a frente contando um pouco da história de cada um. Destaco aqui os alojamentos dos alunos que possuem os nomes de Pe. Moreau, Jacques Dujarié, e Beato Ir. André. Todos eles com placas contando a história dos religiosos e responsáveis pelo legado.

Chamou muito minha atenção o cuidado de todos pelo Campus. Professores, alunos, funcionários, todos bastante atenciosos e solícitos, vivendo realmente os valores da instituição. Na universidade os alunos contribuem com o trabalho, dando ainda mais sensação de pertença, vivendo cada vez mais Santa Cruz.

Tive a oportunidade de conversar com alguns religiosos, e todos se mostraram muito gratos pela participação da escola no encontro, além de serem extremamente simpáticos e solícitos.

Outro ponto que teve destaque é a espiritualidade vivida nos locais. Em todos os momentos de início das palestras em que participei (manhã e tarde), havia um momento de reflexão e oração, reforçando a nossa identidade. No último dia, na missa em que participamos, também tive este sentimento espiritual bem forte.

Estar em profunda imersão nos valores de Santa Cruz me fez sentir ainda mais integrado na filosofia e projeto educativo da congregação, visando a formação de crianças e jovens.

Estar em um ambiente onde pudesse “beber da fonte” os valores de Santa Cruz fez com que voltasse com grandes reflexões em relação ao que é educar para o mundo.

Percebo hoje com mais clareza o nosso principal diferencial, e principalmente uma clareza de onde queremos chegar. Santa Cruz não é nossa marca, é nossa identidade, e senti o quanto tudo isso é vivido pelos religiosos e pelas instituições.

Muito obrigado pela oportunidade dada pela instituição.


Relato feito por por Julian Lemos

No primeiro dia do evento, eu e meu colega Daniel chegamos com certa antecedência ao Campus da Universidade, pois havíamos entendido que as atividades para nós teriam início desde o período da manhã. Sem ter ideia para que lado seguir, tivemos a sorte de encontrar uma aluna da Universidade que nos guiou gentilmente até onde seria o evento. Para nossa surpresa, a sala de eventos estava vazia. Ali, havia outra sala com quatro pessoas. A aluna interrompeu a reunião e, para nossa sorte, um senhor nos recebeu gentilmente e nos explicou que pela manhã haveria uma reunião entre os governadores de Santa Cruz e que a tarde poderíamos conhecer um projeto de uma comunidade que ficava ali perto. O senhor nos perguntou de onde éramos, se esforçou muito para entender nosso inglês precário e nos propôs que pudéssemos aproveitar o tempo para conhecer a Universidade. Quanta sorte! Só estávamos encontrando pessoas gentis, dispostas a parar o que faziam e nos auxiliar. Mais tarde, soubemos que quem conversou conosco era o Marco, Diretor Executivo da Universidade e que havíamos interrompido a primeira e importante reunião do evento. 

Começamos nossa andança pela Universidade. O Campus parece cenário de filme de tão maravilhoso e limpo. Um espaço de arquitetura moderna com pŕedios de pedras nos fazem perplexos e em encantamento o tempo todo. Tivemos tempo para poder entrar em cada prédio. Que sorte a nossa! A beleza e cuidado com cada detalhe nos impressionava e despertava sonhos como imaginar nossos filhos ali no futuro. Diante da recomendação do Lorenço, nosso Diretor Pedagógico, entramos na biblioteca, um espaço de estudo coletivo e individual (estrutura que o aluno pode usar seu laptop com privacidade), interação, jogos e arte, de grande abundância de luz natural e arquitetura moderna que conta com um pé direito altíssimo e uma passarela no centro do espaço. Salas para reuniões e salas de aula também fazem parte do lugar. Quanto encantamento este espaço nos causou. Assim seguimos a manhã, conhecendo e nos encantando com outros espaços de salas de aula, esporte, ginásio, moradia. Durante nosso passeio, circulavam estudantes jovens, tranquilos e serenos. Que sensação boa. Em todos os espaços, há estudantes trabalhando para a Universidade. Encontramos uma brasileira, aluna bolsista da Universidade, ex-aluna do Colégio Santa Maria de São Paulo. Quanta alegria em encontrar uma brasileira que estudava ali e durante nossa conversa descobrimos dois ex-alunos do Colégio Notre Dame, que estudam atualmente na Universidade. A emoção começou a nos invadir. Queríamos encontrá-los também. Percebemos que tínhamos mais que sorte nos acontecimentos daquela manhã. Algo lindo e inexplicável acontecia em nossa experiência. Tudo parecia tão especial, encantador, perfeito e mágico. 

Mais tarde, após almoçarmos no lindo refeitório dos alunos, encontramos Geane e Márcia da Mantenedora da Instituição do Brasil e colaboradores do Colégio Santa Cruz para uma visita à Comunidade local. Muito interessante e ideal.

Fim do primeiro dia. Já era possível entender o que nos esperava durante a semana. 

Curiosos para vivenciar o segundo dia, descemos ao hall do hotel e não conseguimos identificar o ônibus que nos levaria para o evento. Nem nós, nem outros irmãos também hospedados no hotel. Não nos conhecíamos, mas rapidamente nos convidaram para irmos juntos para a Universidade. Quanta gentileza! Ao chegarmos na Universidade fomos extremamente acolhidos pelos Ir. Ronaldo e Ir. Edson. Uma sensação de família e que poderíamos contar com a presença de todos em qualquer necessidade foi presente durante estes dias. Nos sentimos extremamente bem cuidados. Conhecer a filosofia, obras espalhadas pelo mundo, a educação para transformação de pessoas na construção de um mundo melhor, reconhecer que fazemos parte de tão grande propósito nos inspira a trabalhar colocando ainda mais amor em cada ação executada com nossos alunos, famílias, colaboradores e Instituição. Foi uma alegria indescritível o nosso encontro com Bruno Gonzalez e Felipe Broza na Universidade, alunos que estudaram no Coleǵio Notre Dame, de Campinas. O discurso do Felipe a todos participantes do Congresso, ao final do evento, dizendo como Santa Cruz é grande referência em sua vida e escutar o significado de sua vivência no Notre Dame de Campinas, citado várias vezes em sua fala, nos emocionou muito.

Que possamos neste retorno, em que me sinto transformada, passar um pouco do espírito, valores e princípios do que vivemos nesta semana.

Muito obrigada pela emocionante e significativa experiência.

Solenidade de São José

Irmãos de Santa Cruz, discípulos missionários à exemplo de São José

            Revestidos de alegria pela solenidade de São José, Padroeiro Universal da Igreja, somos chamados a enxergá-lo de uma forma que vai além de um simples operário. Certamente não existem argumentos ou palavras que possam dar sentido à importância teológica que São José tem para o contexto bíblico. Porém, algo que podemos afirmar é que São José é antes de tudo um discípulo por excelência, por justamente deixar de lado seus desejos pessoais para fazer a vontade de Deus, fruto de um discernimento profundo, assumindo uma “relação” não comum em sua época com Maria de Nazaré e tornando-se Pai adotivo do Filho de Deus, “Jesus Cristo”. É visível que em um olhar significativo no “discipulado” de São José o Pe. Jacque Dujarie cria em 1820 na França à Associação dos Irmãos de São José, que em 1835 por questões de saúde confia a direção de sua associação ao Pe. Basílio Moreau, mais tarde em 1857 os Irmãos ficam conhecidos como os Irmãos da Congregação de Santa Cruz tendo São José como seu padroeiro oficial, o Sagrado Coração de Jesus como padroeiro dos Padres e Nossa Senhora das Dores padroeira das Irmãs e da Congregação de Santa Cruz.

            Percebe-se que São José é pouco aludido nos Evangelhos canônicos, só Mateus e Lucas inserem-no em suas narrativas. Em Mateus, José é adjetivado como justo (1,19), vale ressaltar que justo no Evangelho mateano está relacionado a quem pauta sua vida pela vontade do Pai. À vista disso, São José é chamado a colaborar na obra da criação e salvação (Mt 1, 20), Jesus de Nazaré provém de uma raiz divina, não só humana e histórica, mas, sua origem parte do Espírito Santo. São José abraçou uma ideia que nem sempre são evidentes e verdadeiramente compreensíveis pela racionalidade humana. Por isso, é sem dúvida o discípulo exemplar. Em Mateus (1,24), São José é abordado pelo Anjo do Senhor enquanto estava dormindo, em um sono profundo, longe de qualquer agitação, ativismo e perturbação participando de um discernimento profundo.

            Nós, Irmãos da Congregação de Santa Cruz, somos chamados a imitar a São José ofertando nossas vidas para uma causa que leva a Salvação, Salvação de todas as pessoas. Podemos afirmar que em 1820 já vivíamos uma ação profética em nossa caminhada educacional, pois estávamos levando esperanças para crianças inseridas em um mundo pós revolução francesa. Educávamos mentes e corações em um contexto em que à Educação era direito de poucos, onde uma minoria tinha acesso. Éramos Irmãos que arriscávamos nossas vidas com o objetivo de Ser e Levar Esperanças para jovens em um contexto difícil, não muito diferente da atualidade.

            É neste itinerário profético que ainda hoje século XXI, somos Irmãos a partir de Santa Cruz que busca viver as virtudes de São José, em um olhar fixado no seu discipulado, ofertando nossas vidas em vários lugares do mundo. Fazendo não as nossas vontades, mas à vontade do Pai e de seu Filho Jesus Cristo, que sentimos por meio da Oração e da Eucaristia, elas que nos leva a um discernimento que também é comunitário, nos ajudando no distanciamento do individualismo e egocentrismo. Em um mundo dilacerado pelo ódio, guerra, violência e injustiça, somos homens a partir de Santa Cruz dispostos a levarem as pessoas a enxergarem na Cruz sua verdadeira Esperança “Salve Cruz, Nossa Única Esperança”, especificamente a Cruz de Jesus Cristo, ela que nos leva a tolerância, fraternidade, respeito, justiça e ao amor, principalmente o amor ao próximo (Jo 13,34). Nossa entrega a partir de Santa Cruz está composta por missões duras e exigentes, por vezes nos encontramos em um caminho obscuro, mas sempre estamos dispostos a caminhar sentindo a presença de Jesus Cristo que se faz presente em todas nossas jornadas diárias por meio da Eucaristia, da oração e do apostolado.

            Portanto, somos Irmãos Religiosos que através de uma vida e missão pautada numa Educação que transforma, fazemos o Reino de Deus presente e atuante nesta história, tornando-se mais visível na humanidade. Sendo fiel a missão que nos foi dada, tornando “Deus Conhecido, Amado e Servido”, em diferentes contextos, épocas, grupos e comunidades. Em Santa Cruz somos homens que não fechamos os braços para o futuro, sendo assim, levantamos possibilidades que geram alternativas e caminhos que culminam na Esperança da qual nos leva a verdadeira Cruz de Jesus Cristo. Que possamos a cada dia inclinar nossos corações ao saudoso São José para que ele em comunhão com seu Filho “Jesus Cristo” nosso irmão, nos ilumine no caminho da paz, da fraternidade, solidariedade e da justiça para melhor fazermos parte do seguimento de Jesus Cristo, sendo coerente com àquele que morreu injustamente por “passar pela vida fazendo o bem”.

Ir. Severino Borges, CSC.

Ó Deus de bondade, que dispusestes São José como pai adotivo de Jesus, e protetor da Virgem Maria e da Igreja, concedei que por seus méritos e pelas virtudes, especificamente da fidelidade e da justiça, possamos também nós, sermos fiéis e justos diante de Deus e dos nossos irmãos. Que por sua intercessão, possamos vencer as dificuldades e tribulações, cultivar a verdadeira caridade, e sermos defendidos e protegidos na hora da nossa morte, rumo à Igreja Celestial. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém! 

15 de março: Dia da Escola

Uma homenagem especial às unidades educacionais mantidas pela Congregação de Santa Cruz

A escola é o templo da informação, da formação e da transformação. Embora seja comumente associada ao aprendizado informativo acadêmico, a Congregação de Santa Cruz concebe as instituições de ensino como núcleos privilegiados de convivência, socialização, crescimento e formação. Fazendo referência ao legado de Pe. Basílio Moreau, fundador da Congregação de Santa Cruz, a educação de Santa Cruz dedica-se ensino de qualidade aliado aos valores cristãos para a formação integral de cidadãos, em vista de sua atuação em favor de um mundo justo e igualitário.

Pensando nisso, os três Colégios mantidos hoje pela Congregação- Colégio Dom Amando (Santarém-PA), Notre Dame (Campinas-SP) e Santa Cruz (São Paulo- SP) – desenvolvem projetos educativos de caráter multidimensional, contemplando a vida pessoal, social, e acadêmica dos educandos, sempre à luz de valores de vida cristãos.

Além disso, as instituições de ensino representam algo a mais para a Congregação de Santa Cruz: elas são um espaço de amplo acolhimento. Preocupando-se com o bem-estar de cada um de seus estudantes e colaboradores, os Colégios promovem ações de integração, campanhas contra o bullying, respeito e cuidado com o meio ambiente, além de incentivar atitudes de valorização da diversidade.

Dessa forma, cria-se um espaço de respeito mútuo! Tais ações são importantes para que as crianças, jovens e adultos que participam da comunidade escolar tenham voz, sintam-se ouvidos e tenham suas opiniões levadas em consideração. Isso os ajuda a construir sua autoconfiança e a reforçar os valores aos quais são expostos diariamente, no ambiente escolar, em seus lares e círculos sociais.

Esta data deve ser vista como uma importante oportunidade para relembrar esses múltiplos papéis da escola, que, reunidos, favorecem a formação cidadã para atuação no mundo de hoje e do futuro.  A Congregação de Santa Cruz parabeniza os educadores de Santa Cruz- todos os colaboradores que atuam em favor de sua missão educacional- pelo empenho e dedicação colocados à disposição das instituições de ensino e deseja a todos o discernimento para dar seguimento a essa linda e abençoada tarefa de educar!

Colégio Dom Amando completa 79 anos

Instituição de ensino, fundada em 1943, traz como pilares de sustentação os valores de educação integral da Congregação de Santa Cruz

Hoje, 14 de março, o Colégio Dom Amando, que tem como mantenedora a Congregação de Santa Cruz, em Santarém, completa 79 anos de história. Ao longo das quase oito décadas desde sua formação, o Colégio, localizado no interior da Amazônia, busca oferecer educação de excelência e formação integral, incentivando o desenvolvimento completo da comunidade santarena.

Fundado em 1943, o então Ginásio Dom Amando passou a ser administrado pela Congregação de Santa Cruz em 1951, a pedido do bispo local. Na época, os irmãos de Santa Cruz Ricardo Grejczyk, Genardo Greene, Paulo Schaeffer e Jaime Walter abraçaram a missão com boa fé e esperança de levar os valores educacionais e cristãos que dão base à missão da Congregação para a população local.

Os irmãos, educadores de Santa Cruz, imprimiram no Colégio Dom Amando desde então os valores educacionais que permeavam a atuação da Congregação. Dessa forma, o Colégio busca promover a educação integral de seus alunos, incentivando seu desenvolvimento acadêmico e pessoal, visando a formar cidadãos completos e prontos para agir em favor da comunidade na qual estão inseridos. Respeitando a máxima de “educar mentes e corações”, missão legada à Congregação por seu fundador, Pe. Basílio Moreau, o Colégio tornou-se referência em educação!

Hoje, a instituição de ensino tem muito a comemorar! Ao longo de seus 79 anos, o Colégio Dom Amando pôde, por meio de sua vivência e ensinamentos, fazer a diferença na vida de milhares de alunos e ajudá-los a tomar caminhos promissores. A história de cada um que algum dia passou pelos corredores do Dom Amando mistura-se à de sua fundação, e hoje ajuda a trilhar uma longa e vitoriosa trajetória, pautada na educação e nos valores cristãos.

A Congregação de Santa Cruz parabeniza o Colégio Dom Amando- a família CDA: colaboradores, direção e equipe educativa, corpo docente e estudantil por esta data. Também cumprimenta e agradece as famílias que honram o Colégio e a Congregação com sua confiança. Além disso, parabenizamos o Colégio pelo carinho e cuidado empenhados nos seus 79 anos de atuação, e desejamos, a todos, discernimento e sabedoria para que essa história continue a ser escrita com excelência!

“Eu vivi por aqueles que servi”: Pe. Jacques-François Dujarié

A história da Congregação de Santa Cruz começa com o Padre Jacques-François Dujarié, padre da Diocese da Le Mans, na França. Sua determinação heroica para servir às necessidades materiais e espirituais dos pobres no país ajudou a fundamentar a missão de Santa Cruz ao redor do mundo.

Seminarista durante a Revolução Francesa, movimento que ordenou que todo o clero fizesse um juramento de fidelidade ao Estado, Dujarié se negou a fazê-lo e passou a viver sua fé na clandestinidade. Por muitos anos, Dujarié viajou por vilas disfarçado de pastor ou vendedor de limonada para que pudesse auxiliar os padres que ministravam escondidos. Em 1795, ele concluiu seus estudos e foi secretamente ordenado padre.

“Senhor, satisfaça-se em abençoar minha vocação, em ajudar-me no meu trabalho e em vestir-me com o espírito de força, caridade e humildade. Que nada me desvie do teu serviço!”

Pe. Jacques-François Dujarié

Com o fim da Revolução Francesa, a Igreja enfrentava a difícil tarefa de reconstrução, agora com pouco material institucional. Contava então com poucos padres, já que muitos foram exilados e até executados pelo governo revolucionário. Compelido a ajudar na tarefa educacional, defasada pelo período de ilegalidade, Pe. Jacques-François Dujarié reuniu, em 1806, um grupo de mulheres para ensinar os jovens em vilas próximas. Esse grupo foi batizado de Irmãs da Providência, que posteriormente se estabeleceriam como uma ordem própria.

Anos mais tarde, o clero da Diocese de Le Mans pediu a Dujarié que criasse um grupo de irmãos educadores para servir nas paróquias. Assim, ele fundou os Irmãos de São José, em 1820. O grupo cresceu rapidamente, o que fez com que o padre notasse o quão tênue era o grupo dos irmãos. Por isso, ele solicitou um grupo de padres para ajudá-los e dar coesão à estrutura.

“Insistam que os Irmãos ensinem aos alunos virtudes religiosas e para que eles os tragam para o conhecimento e amor de Jesus Cristo”

Pe. Jacques-François Dujarié

Com sua saúde se deteriorando, Dujarié buscou aprovação do Bispo para selecionar o Reverendo Basile Moreau para continuar seu trabalho. Dois anos mais tarde, no Ato Fundamental de União, os Irmãos de São José foram formalmente unidos ao grupo de padres auxiliares de Moreau, criando, assim, a Congregação de Santa Cruz.

“Dujarié for marcado pela providência para cumprir os desígnios da misericórdia divina para a salvação de muitos”

Beato Basílio Moreau

Os valores educacionais, sacerdotais e de caridade do Pe. Dujarié, cuja fé provou-se resistente às tentações do mundo, tornaram-se pilares fundamentais na missão de Santa Cruz, hoje espalhada em diversos lugares do mundo.

Em sua vida, dedicada completamente à missão cristã, Dujarié deixou para o mundo um legado de amor e educação. “Eu sou um padre para ser o consolo da viúva; o pai do órfão; o suporte do pobre; e um amigo para aqueles que sofrem”.

Nesta data, façamos memória a Dujarié e ao seu legado, vivo entre nós!

Beato Basílio Moreau: Ave Crux Spes Única

Na comemoração do nascimento do fundador da Congregação de Santa Cruz, Fr. Omukuyia Benard, CSC, reflete sobre sua espiritualidade

A espiritualidade do Beato Basílio Moreau foi influenciada por vários fatores e personalidades: o seminário Sulpiciano, Santo Inácio de Loyola junto de seus exercícios espirituais, e o abade e liturgista beneditino Dom Gueranger. Essa junção das diversas referências que Moreau teve é o que foi entregue à Congregação de Santa Cruz para ser vivido, aprofundado e constantemente salvaguardado. Sua espiritualidade estava ancorada no ditado “Ave Crux Spes Única – Salve a Cruz nossa Única Esperança”.

O mistério desta espiritualidade está situado na realidade do mundo, tanto no passado quanto no presente. Beato Moreau abraçou abertamente a missão que Cristo confiou à sua Igreja, dando grande ênfase à santidade ao perceber a si mesmo e seus membros como apóstolos trabalhando em nome de Cristo. Moreau refletiu que o objetivo de qualquer vocação cristã é tornar Deus conhecido, amado e servido.

Ainda de acordo com o Beato, a experiência da revolução francesa havia distorcido a visão da religião, e a única maneira de levar esperança às pessoas era a evangelização por meio da educação. Ele pensou na educação baseada em cinco pilares: o desenvolvimento da mente, o cultivo do coração, o zelo pelo serviço, a esperança na cruz e a união de uns aos outros como família. Ele insistiu que o objetivo de educar mentes e corações demanda zelo por parte dos educandos para poder iluminar o mundo. Este zelo deve nascer do amor a Deus e ao próximo.

Assim, como membros da Santa Cruz, somos primeiramente próximos daqueles a quem servimos. Vivemos na mesma clausura que as pessoas que servimos, e isso confirma nossos desejos e esforços para sermos inclusivos.

Como herdeiros da espiritualidade de Moreau, desejamos ​​seguir seus passos através de nossa vida consagrada. Os valores evangélicos nos libertam para uma relação mais profunda com Cristo, realizando diversos apostolados. Nós nos esforçamos não apenas para preparar cidadãos para a sociedade, mas também para a vida eterna no mundo vindouro. Nossas instituições são um exemplo; realizamos uma formação espiritual e vocacional que permite aos alunos viver sua identidade batismal e vocação.

Como homens que levam a esperança, e como servos em nossas missões, almejamos “… trabalhar para a santificação de outros, ministrando a eles” (Regras de 1886). Confiamos na providência divina por meio da qual Deus nutre, sustenta e supre nossas necessidades. Nossa resposta proporcional à fidelidade de Deus nos concede a alegria da ressurreição e a dor da cruz. Isso nos oferece mais esperança, que nada pode mudar a realidade que Deus está presente e vivo.

Nossa esperança se baseia ainda no fato de que a herança de nossa congregação está viva e em constante evolução. Muitas adaptações estão ocorrendo às culturas e contextos em que vivemos e ministramos. Somos internacionais, multiculturais e nossa diversidade oferece muito o que esperar!

Esta reflexão foi escrita por Fr. Omukuyia Benard, CSC, em ocasião da festa do Beato Basile Moreau, fundador da Congregação de Santa Cruz. Fr. Benard é do Distrito da África Oriental e agora está realizando seus estudos de doutorado em filosofia em Roma.

Texto original:
https://holycrosscongregation.org/news/blessed-basile-moreau/

Colégio Santa Cruz dá início a celebração de 70 anos de fundação

Colégio completa 70 anos em 2022 e reúne em vídeo fatos marcantes do período

O Colégio Santa Cruz, que tem como mantenedora a Congregação de Santa Cruz, prepara-se para, em 2022, celebrar o seu 70º ano de fundação. Fundado em 1952, inicialmente no bairro da Consolação e posteriormente transferido para o Alto de Pinheiros, em São Paulo – SP, o Colégio nasceu do propósito missionário da Congregação, legado pelo Beato Basílio Moreau, de promover a educação e formação integral da pessoa.

O Colégio Santa Cruz, ao longo desses anos, contribuiu para a formação de gerações de cidadãos críticos, capazes de conciliar as próprias escolhas com a construção de uma sociedade mais igualitária e sustentável, que respeite os direitos humanos e a diversidade de ideias.

O projeto pedagógico do Colégio proporciona uma sólida formação acadêmica e cultural dos estudantes, em um ambiente escolar vigoroso e criativo, marcado pela alegria e pelo desejo de aprender ensinando e ensinar aprendendo.

Seguindo firme com esse propósito, o Santa Cruz busca honrar os princípios e os valores que o tornaram uma respeitada instituição de ensino, refletindo diariamente sobre como fazer frente aos desafios da contemporaneidade ao mesmo tempo em que reafirma a sua identidade. Esse processo de reflexão é necessário para o aprimoramento constante da escola, em diálogo com educadores, estudantes e famílias.

Para marcar o início das celebrações deste ano especial, o Colégio criou um selo comemorativo.

O Colégio também reuniu fatos marcantes ao longo desses anos que podem ser vistos no vídeo abaixo: