O Domingo: 29º Domingo Do Tempo Comum

Leitura do Livro do Profeta Isaías (Is 53,10-11)

O Senhor quis macerá-lo com sofrimentos. Oferecendo sua vida em expiação, ele terá descendência duradoura e fará cumprir com êxito a vontade do Senhor. Por esta vida de sofrimento, alcançará luz e uma ciência perfeita. Meu Servo, o justo, fará justos inúmeros homens, carregando sobre si suas culpas.

Salmo – Sl 32,4-5.18-19.20 e 22 (R.22)

R. Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça,
pois, em vós, nós esperamos!

4Pois reta é a palavra do Senhor,*
e tudo o que ele faz merece fé.
5Deus ama o direito e a justiça,*
transborda em toda a terra a sua graça.R.

18Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem,*
e que confiam esperando em seu amor,
19para da morte libertar as suas vidas*
e alimentá-los quando é tempo de penúria.R.

20No Senhor nós esperamos confiantes,*
porque ele é nosso auxílio e proteção!
22Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça,*
da mesma forma que em vós nós esperamos!R.

Leitura da Carta aos Hebreus (Hb 4,14-16)

Irmãos: Temos um sumo sacerdote eminente, que entrou no céu, Jesus, o Filho de Deus. Por isso, permaneçamos firmes na fé que professamos. Com efeito, temos um sumo sacerdote capaz de se compadecer de nossas fraquezas, pois ele mesmo foi provado em tudo como nós, com exceção do pecado.

Aproximemo-nos então, com toda a confiança, do trono da graça, para conseguirmos misericórdia e alcançarmos a graça de um auxílio no momento oportuno.

Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos (Mc 10,35-45)

Naquele tempo, Tiago e João, filhos de Zebedeu, foram a Jesus e lhe disseram: “Mestre, queremos que faças por nós o que vamos pedir”. Ele perguntou: “O que quereis que eu vos faça?”

Eles responderam: “Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda, quando estiveres na tua glória!”

Jesus então lhes disse: “Vós não sabeis o que pedis. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber? Podeis ser batizados com o batismo com que vou ser batizado?” Eles responderam: “Podemos”. E ele lhes disse: “Vós bebereis o cálice que eu devo beber, e sereis batizados com o batismo com que eu devo ser batizado. Mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. É para aqueles a quem foi reservado”.

Quando os outros dez discípulos ouviram isso, indignaram-se com Tiago e João. Jesus os chamou e disse: “Vós sabeis que os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam. Mas, entre vós, não deve ser assim: quem quiser ser grande, seja vosso servo; e quem quiser ser o primeiro, seja o escravo de todos. Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos”.

Reflexão

Isaías anuncia que Deus vai enviar o Seu servo – o Servo de Javé. Esse Servo de Deus libertará o povo carregando o peso de seus pecados. Jesus vai corresponder plenamente à profecia anunciada do Servo sofredor: Ele é o pastor que dá a vida pelas ovelhas e nada faz em benefício próprio, mas segundo a vontade do Pai.

Atualmente, em nossa sociedade, muitos procuram prestígio e fama. Outros buscam posições de autoridade em benefícios próprios e não muito em função do bem comum. Há várias maneiras de tornar-se “importante” e adquirir uma “autoridade”: o poder político adquirido pelo voto da maioria; os poderes jurídico e militar dos juízes e generais; também pela competência profissional do cientista, médico, tecnólogo, engenheiro e economista; bem como a autoridade oriunda do talento de artistas, professores e escritores; e a fama adquirida por cantores, atletas e comunicadores da mídia.

Os 12 apóstolos seguiram Jesus não só porque foram convidados, a maioria foi seduzida pela personalidade de Jesus e depois por sua fama no meio do povo fazendo milagres. Havia também aquela esperança de ver o mestre tomar posse no reino que Ele pregava e então, reservar para seus apóstolos as posições e funções mais importantes. Na época a expectativa era grande de ver aparecer um chefe que fosse o messias anunciado pelos profetas para libertar o povo de Israel. O Reino de Deus estava para chegar, conforme anunciava João Batista: “O Reino de Deus está próximo”.

Quando Jesus falava dele mesmo, Ele empregava o título de “Filho do Homem”, fazendo referência ao profeta Daniel que, numa visão noturna, viu um ser descendo do céu para estabelecer um reino definitivo na terra, nestes termos: “Entre as nuvens do céu vinha alguém como um Filho do Homem. Foi-lhe dado poder, glória e reino, e todos os povos, nações e línguas o serviram. O seu poder é um poder eterno, que nunca lhe será tirado. E o seu reino é tal que jamais será destruído” (Dn7,13).

Os apóstolos não eram bobos! Eles seguiam a Jesus esperando ver o mestre tomar posse um dia e estabelecer um governo sob a tutela de Deus. Um certo dia, eles discutiram pelo caminho para saber qual deles seria o mais importante no Reino. Neste domingo, vemos no Evangelho de Marcos, João e Tiago se aproximarem de Jesus para pedir o favor de um se sentar a sua direita e o outro a sua esquerda. A resposta de Jesus veio em termos de um teste: “Podem beber o cálice que eu vou beber?”. Jesus vai beber o seu cálice de sofrimento, isso é, ser alvo de críticas, perseguições e difamações até ser morto. Porém, é Deus quem vai escolher os lugares para cada um trabalhar na construção do Reino quando Cristo não estiver mais visivelmente presente.

Depois, Jesus reuniu todos e deu uma boa lição sobre o que torna alguém mais importante: é aquele que está a serviço de todos a ponto de dar a vida pelo povo. Com isso, o Messias propõe um novo modelo de autoridade, não com base em regimes autoritários, mas baseado no serviço mútuo, generoso e sincero, motivado pelo próprio exemplo do mais dedicado. Jesus esclareceu que seu Reino está fundado sobre a lei do serviço, e não na busca do poder. A receita para conquistar grandeza é pelo serviço fraterno. Um outro caminho para ser importante é servir gratuitamente, pois a gratuidade é uma ferramenta divina para a construção do Reino.


 Pe. Lourenço, CSC

O Domingo: 28º Domingo Do Tempo Comum

Leitura do Livro da Sabedoria (Sb 7,7-11)

“Orei, e foi-me dada a prudência; supliquei, e veio a mim o espírito da sabedoria. Preferi a Sabedoria aos cetros e tronos e, em comparação com ela, julguei sem valor a riqueza; a ela não igualei nenhuma pedra preciosa, pois, a seu lado, todo o ouro do mundo é um punhado de areia e, diante dela, a prata será como a lama. Amei-a mais que a saúde e a beleza, e quis possuí-la mais que a luz, pois o esplendor que dela irradia não se apaga. Todos os bens me vieram com ela, pois uma riqueza incalculável está em suas mãos”.

Salmo – Sl 89,12-13.14-15.16-17 (R.Cf. 14)

R. Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor,
e exultaremos de alegria!

12Ensinai-nos a contar os nossos dias,*
e dai ao nosso coração sabedoria!
13Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis?
Tende piedade e compaixão de vossos servos!R.

14Saciai-nos de manhã com vosso amor,*
e exultaremos de alegria todo o dia!
15Alegrai-nos pelos dias que sofremos,
pelos anos que passamos na desgraça!R.

16Manifestai a vossa obra a vossos servos,*
e a seus filhos revelai a vossa glória!
17Que a bondade do Senhor e nosso Deus
repouse sobre nós e nos conduza!*
Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho.R.

Leitura da Carta aos Hebreus (Hb 4,12-13)

A Palavra de Deus é viva, eficaz e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes. Penetra até dividir alma e espírito, articulações e medulas. Ela julga os pensamentos e intenções do coração. E não há criatura que possa ocultar-se diante dela. Tudo está nu e descoberto aos seus olhos, e é a ela que devemos prestar contas.

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos (Mc 10,17-30)

Naquele tempo, quando Jesus saiu a caminhar, veio alguém correndo, ajoelhou-se diante dele e perguntou: “Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?”

Jesus disse: “Por que me chamas de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém. 19Tu conheces os mandamentos: não matarás; não cometerás adultério; não roubarás; não levantarás falso testemunho; não prejudicarás ninguém; honra teu pai e tua mãe”.

Ele respondeu: “Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude”.

Jesus olhou para ele com amor, e disse: “Só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!”

Mas quando ele ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.

Jesus então olhou ao redor e disse aos discípulos: “Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!”

Os discípulos se admiravam com estas palavras, mas ele disse de novo: “Meus filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!”

Eles ficaram muito espantados ao ouvirem isso, e perguntavam uns aos outros: “Então, quem pode ser salvo?”

Jesus olhou para eles e disse: “Para os homens isso é impossível, mas não para Deus. Para Deus tudo é possível”.

Pedro então começou a dizer-lhe: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”.

Respondeu Jesus: “Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, receberá cem vezes mais agora, durante esta vida — casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições — e, no mundo futuro, a vida eterna.

Reflexão

Segundo o livro da sabedoria, existem pessoas ajuizadas e pessoas tolas: umas põem sua segurança nos bens materiais (ouro, prata, pedras preciosas, dinheiro, terras, heranças); outras valorizam a fama e o poder também ligados às riquezas. Outras ainda põem toda a importância na saúde e na beleza, que também são provisórias. Finalmente, existem aquelas pessoas que escolhem a sabedoria do bom senso de uma consciência livre de dependências criadas pelo dinheiro, pelo vício e pelos maus hábitos.

As pessoas que possuem muitas coisas não são mais livres por causa disso. Frequentemente a riqueza possui ou domina o seu dono. Ele fica possuído pelas inúmeras coisas. Tanta coisa para administrar: impostos para pagar, manutenção de propriedades, preocupações com suas aplicações bancárias, frequentes roubos, gastos com segurança de seus bens e algumas perdas na Bolsa de Valores…

O homem rico do evangelho, no caminho de Jerusalém, devia ser um Saduceu e devia ter recebido muita terra em herança. Mas ele não está satisfeito. Se nunca trabalhou para adquirir toda sua riqueza, é normal que não ache muita satisfação em cuidar dos bens que ganhou por herança sem ter suado para adquirir toda aquela riqueza. Ele não parece estar com vontade de trabalhar para conseguir mais riqueza. O que ele quer é viver para sempre. Ele procura Jesus perguntando como fazer para ganhar a vida eterna – isto é, conseguir uma vida eterna. Teria sido melhor se tivesse dito para “comprar a vida eterna”, porque tinha muita grana e bastante juízo. Ele sabe e, conforme o tempo passa, ele sente que tudo o que tem ainda é provisório. Então, o que ele quer é um seguro de vida eterna. Jesus diz que antes de tudo ele tem que seguir os 10 mandamentos da Lei de Moisés, isto é, o decálogo.

Porém, a lei que Moisés recebeu de Deus não suficiente para entrar no Reino de Deus que Jesus veio inaugurar. No Reino de Deus, não basta evitar pecar. É preciso criar um mundo de amor, justiça, igualdade, solidariedade e caridade. Para que isso aconteça, é preciso trabalhar para ajudar os pobres, vender suas riquezas para conseguir isso e seguir Jesus. O mais difícil vai ser seguir os passos de Jesus, imitá-Lo e, o mais difícil ainda, seguir seus ensinamentos. Aí vai precisar de muita disposição. Mas vale a pena tentar porque vai receber de graça um tesouro no céu! Agora é tudo ou nada. É vender tudo e poder entrar no reio ou ficar como está e ir embora? Aquele homem era rico demais. É difícil deixar tudo. Vai dar trabalho vender tudo. E então, será que seguir Jesus vai dar certo? Ele ficou triste e foi embora com sua tristeza para tentar consolar-se voltando para suas riquezas.

Que pena! Com um pouco de sabedoria ele teria trocado sua herança e seu dinheiro pelo serviço gratuito; trocaria sua boa vida pela felicidade de muitas pessoas; trocaria seu acúmulo de dinheiro por uma instituição de caridade ou qualquer instituo filantrópico.

Teria sido uma bela história para contar para muita gente rica que ainda não encontrou a felicidade que existe em doar de graça. São Paulo já escreveu que Jesus tinha dito que “há mais felicidade em dar do que em receber”. São Paulo acreditou nisso e tornou-se um feliz apaixonado por Jesus, sendo o maior de todos os missionários.

Os apóstolos ficaram espantados e perguntavam uns para os outros: “então, quem pode ser salvo?”. Jesus disse “Para os homens isso é impossível, mas não para Deus. Para Deus tudo é possível”. Pedro, então, disse: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”. Quem faz isso, vender tudo e depois seguir verdadeiramente Jesus, com certeza vai herdar a vida eterna. Mas não por mérito próprio para orgulhar-se, pois ninguém pode exigir a vida eterna em pagamento de seus méritos. Deus dá a vida eterna de graça, porque Deus sempre faz tudo de graça.


 Pe. Lourenço, CSC

 

O Domingo: 27º Domingo Do Tempo Comum

Primeira Leitura (Gn 2,18-24)

Leitura do Livro do Gênesis:

O Senhor Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só. Vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele”.

Então o Senhor Deus formou da terra todos os animais selvagens e todas as aves do céu, e trouxe-os a Adão para ver como os chamaria; todo o ser vivo teria o nome que Adão lhe desse.

E Adão deu nome a todos os animais domésticos, a todas as aves do céu e a todos os animais selvagens; mas Adão não encontrou uma auxiliar semelhante a ele.

Então o Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão. Quando este adormeceu, tirou-lhe uma das costelas e fechou o lugar com a carne. Depois, da costela tirada de Adão, o Senhor Deus formou a mulher e conduziu-a a Adão.

E Adão exclamou: “Desta vez, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada ‘mulher’ porque foi tirada do homem”.

Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e eles serão uma só carne.

Salmo – Sl 127,1-2.3.4-5.6 (R. cf. 5)

R.O Senhor te abençoe de Sião, cada dia de tua vida.

1Feliz és tu se temes o Senhor*
e trilhas seus caminhos!
2Do trabalho de tuas mãos hás de viver,*
serás feliz, tudo irá bem!R.

3A tua esposa é uma videira bem fecunda*
no coração da tua casa;
os teus filhos são rebentos de oliveira*
ao redor de tua mesa.R.

4Será assim abençoado todo homem*
que teme o Senhor.
5O Senhor te abençoe de Sião,
cada dia de tua vida,*
para que vejas prosperar Jerusalém,R.

6E os filhos dos teus filhos.
 Senhor, que venha a paz a Israel,*
que venha a paz ao vosso povo!R.

Segunda Leitura (Hb 2,9-11)

Leitura da Carta aos Hebreus:

Irmãos: Jesus, a quem Deus fez pouco menor do que os anjos, nós o vemos coroado de glória e honra, por ter sofrido a morte. Sim, pela graça de Deus em favor de todos, ele provou a morte.

Convinha de fato que aquele, por quem e para quem todas as coisas existem, e que desejou conduzir muitos filhos à glória, levasse o iniciador da salvação deles à consumação, por meio de sofrimentos. Pois tanto Jesus, o Santificador, quanto os santificados, são descendentes do mesmo ancestral; por esta razão, ele não se envergonha de os chamar irmãos.

Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos (Mc 10,2-16)

Naquele tempo, alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher.

Jesus perguntou: “O que Moisés vos ordenou?”

Os fariseus responderam: “Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la”.

Jesus então disse: “Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento. No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu o homem não separe!”

Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. Jesus respondeu: “Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. E se a mulher se divorciar de seu marido e se casar com outro, cometerá adultério”.

Depois disso, traziam crianças para que Jesus as tocasse. Mas os discípulos as repreendiam. Vendo isso, Jesus se aborreceu e disse: “Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas. Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele”. Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mãos.

Reflexão

No 2° relato da criação – o mais antigo, escrito cerca de 900 anos a.C. — Deus é comparado a um oleiro perfeito que acariciou o barro da terra e tirou da argila o ser humano: Adão (palavra que quer dizer “tirado do barro”). Dando nome a todos os seres criados, Adão se torna o gerente de toda a criação, porém, não tem com quem se relacionar de igual a igual – não há nenhum ser vivo parecido com ele. Nem cachorro serve. Deus, então completa sua obra tirando a mulher do lado do homem e de agora em diante ela ficará ao Iado dele, igual a ele em todos os sentidos e direitos. Ela não foi tirada do braço para fazer todos os serviços domésticos, não foi do joelho, da perna, do pé para ficar abaixo dele; ela não é a serva do homem, mas também não um ídolo de Adão.

Jesus hoje fez alusão ao Matrimônio como sendo um compromisso permanente. Não é descartável, pois é uma união feita na carne, tornado-se um só corpo. Amar no casamento é encontrar na felicidade da pessoa amada a própria felicidade. É preciso conjugar tudo da vida com os verbos do amor: dar e doar, ajudar, cuidar, agradar, fecundar, mudar e perdoar. Esse “perdoar” é muito bonito na teoria, mas na prática é difícil acontecer. Conjugando duas vidas assim com o DAR e o DOAR é possível para um casal comprometer-se no Sacramento do Matrimônio.

No Evangelho, Jesus também nos leva a refletr sobre mais um Sacramento, aquele que a Igreja oferece para entrar no Reino de Deus: o Batismo, o 1º compromisso do cristão. O Batismo deve ser ministrado a adultos convertidos antes de tudo, ou ainda a filhos e filhas de pais comprometidos na Igreja de Jesus Cristo, na comunidade dos seus discípulos e no matrimônio.

As crianças pequenas cujos pais têm pouca fé e nenhum compromisso com a Igreja não precisam ser batizadas porque não serâo educadas para crescer na fé. Jesus ama muito todas as crianças, batizadas ou não.

Hoje Ele disse: “Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas”. Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mâos. Mas Jesus não batizou nenhuma delas.

Nós, também, queremos abençoar todas as crianças como Jesus fez. Porém, batizar somente aquelas cujos pais se acham capazes de fazer delas verdadeiras discipulas de Jesus Cristo, cristãs integradas na comunidade da Igreja. Se não há compromisso da família, o efeito do Batismo será mínimo, imperceptível, insignificante, apenas uma semente depositada, mas sem condições de brotar. Crescer e dar frutos.

Para os recém batizados, o Pós-batismo tem que ser uma vida nova. Para que isso aconteça é preciso rezar e seguir os passos e ensinamentos de Jesus. lsso é dever dos pais e dos padrinhos. Chega de ver tantos batizados abandonados e que nâo ouviram falar do Pai do Céu.

Deus não abandona crianças não batizadas. É Jesus quem disse: “Não desprezem nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos cêus vêm sem cessar a face do meu Pai que estâ nos céus”.


 Pe. Lourenço, CSC

 

O Domingo: 26º Domingo Do Tempo Comum

Leitura do Livro dos Números (Nm 11,25-29)

Naqueles dias, o Senhor desceu na nuvem e falou a Moisés. Retirou um pouco do espírito que Moisés possuía e deu aos setenta anciãos. Assim que repousou sobre eles o espírito, puseram-se a profetizar, mas não continuaram.

Dois homens, porém, tinham ficado no acampamento. Um chamava-se Eldad e o outro Medad. O espírito repousou igualmente sobre os dois, que estavam na lista mas não tinham ido à Tenda, e eles profetizavam no acampamento.

Um jovem correu a avisar Moisés que Eldad e Medad estavam profetizando no acampamento.

Josué, filho de Num, ajudante de Moisés desde a juventude, disse: “Moisés, meu Senhor, manda que eles se calem!” 29Moisés respondeu: “Tens ciúmes de mim? Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta e que o Senhor lhe concedesse o seu espírito!”

Salmo – Sl 18,8.10.12-13.14 (R.8a 9b)

R.A lei do Senhor Deus é perfeita, alegria ao coração

8A lei do Senhor Deus é perfeita,*
conforto para a alma!
O testemunho do Senhor é fiel,*
sabedoria dos humildes.R.

10É puro o temor do Senhor,*
imutável para sempre.
Os julgamentos do Senhor são corretos*
e justos igualmente.R.

12E vosso servo, instruído por elas,*
se empenha em guardá-las.
13Mas quem pode perceber suas faltas?*
Perdoai as que não vejo!R.

14E preservai o vosso servo do orgulho:*
não domine sobre mim!
E assim puro, eu serei preservado*
dos delitos mais perversos.R.

Leitura da Carta de São Tiago (Tg 5,1-6)

E agora, ricos, chorai e gemei, por causa das desgraças que estão para cair sobre vós.

Vossa riqueza está apodrecendo, e vossas roupas estão carcomidas pelas traças. Vosso ouro e vossa prata estão enferrujados, e a ferrugem deles vai servir de testemunho contra vós e devorar vossas carnes, como fogo! Amontoastes tesouros nos últimos dias.

Vede: o salário dos trabalhadores que ceifaram os vossos campos, que vós deixastes de pagar, está gritando, e o clamor dos trabalhadores chegou aos ouvidos do Senhor todo-poderoso. Vós vivestes luxuosamente na terra, entregues à boa vida, cevando os vossos corações para o dia da matança. Condenastes o justo e o assassinastes; ele não resiste a vós.

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos (Mc 9,38-43.45.47-48)

Naquele tempo, João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue”

Jesus disse: “Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim. Quem não é contra nós é a nosso favor.

Em verdade eu vos digo: quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa.

E, se alguém escandalizar um destes pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço.

Se tua mão te leva a pecar, corta-a! É melhor entrar na Vida sem uma das mãos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga.

Se teu pé te leva a pecar, corta-o! É melhor entrar na Vida sem um dos pés, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno.

Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, ‘onde o verme deles não morre, e o fogo não se apaga’”.

Reflexão

Eldad e Medad ensinavam e pregavam, mas não tinham credenciais para fazer isso, pois esse era o papel dos 70 anciãos, preparados para a função de profetas. Os dois foram então denunciados a Moisés por um jovem e Josué, ajudante de Moisés desde a juventude, encarregou-se de pedir que ele os mandasse calar. Moisés, porém, interveio a favor dos dois: ” Se estão falando a verdade, deixem-lhes ensinar”. Ninguém deve monopolizar a VERDADE, pois ela pertence à inteligência. Todo ser inteligente tem o direito à verdade. É a mesma coisa para quem faz o bem. Pouco importa o grupo ao qual ele pertence. A verdade é patrimônio da humanidade.

Hoje, neste Evangelho Jesus usou palavras fortes: “Se tua mão te leva a pecar, corta-a. Se teu pé leva você à pecar, corta. Se teu olho leva também você, corta”. Tomando essas palavras ao pé da letra, Jesus então afirma que é melhor entrar no céu todo amputado do que pecar e acabar no inferno! O sentido dessas figuras enfaticamente fortes é que devemos extirpar tudo o que se opõe à mensagem de Jesus. O que se deve arrancar é o mau exemplo que a gente dá pecando, porque o mau exemplo pode levar os outros a fazer o mal também. É que cada pessoa deve responder por seus atos seja qual for o grupo ao qual ela pertence! A mentira é sempre um mal, assim como a verdade é sempre um bem. Deus é a Verdade e o Demônio é o pai da mentira. Vivendo num mundo cada vez mais pluralista onde há filosofias diferentes e religiões diferentes é assim. Quando tratamos de crenças, é difícil dizer quem está certo e quem está errado. Para Jesus, pouco importa se quem faz uma boa ação seja de um partido ou de outro, esquerda ou da direita, a sua ação deve ser julgada objetivamente.

Preocupado, o apóstolo João aproximou-se de Jesus dizendo: “Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos porque não nos segue”, ao que Jesus retrucou: “Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim. Quem não é contra nós é a nosso favor”.

Meus irmãos, nós, católicos, acreditamos que Jesus queria uma só Igreja, isto é, um só rebanho e um só Pastor, assim como ele disse: “Eu sou o Bom Pastor. Tenho outras ovelhas que não estão neste curral. Eu preciso trazer essas também, e elas ouvirão a minha voz. Então elas se tornarão um só rebanho com um só pastor”. (Jo 10,16)

Infelizmente a realidade de hoje é bem diferente. No Brasil mesmo, existe um leque de religiões diferentes. Diante deste PLURALISMO qual deve ser nossa atitude? Lutar e falar contra? Não é a solução. Quem age em nome de Jesus e não fala contra nós, age em nosso favor! Sabemos que Deus oferece a salvação a todos. Aquele que vive e ensina os valores do Reino de Deus – amor, liberdade, justiça e paz, verdade, autenticidade, alegria, esperança, fraternidade e solidariedade – ele está salvo, pouco importa o grupo ao qual pertence.

Diante de Pilatos Jesus disse: “Todo aquele que está com a verdade, ouve a minha voz”, ao que Pilatos indagou: “O que é a verdade?”.

Houve um silêncio e Pilatos saiu. Meus irmãos. Jesus é a Verdade e só condena atitudes falsas como a infidelidade e a hipocrisia… Jesus costumava dizer: “Em verdade eu vos digo (…) eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”. Isso quer dizer que aquela pessoa que sempre busca a verdade, no fundo está buscando a Deus porque só Deus é a Verdade total. A Palavra de Deus é verdadeira e a Palavra de Deus se fez carne na vida de Jesus. Verdade e Vida!


 Pe. Lourenço, CSC

 

O Domingo: 25º Domingo Do Tempo Comum

Leitura do Livro da Sabedoria (Sb 2,12.17-20)

Os ímpios diziam: “Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz, e comprovemos o que vai acontecer com ele. Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos.

Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; vamos condená-lo à morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”.

Salmo – Sl 53,3-4.5.6.8 (R. 6b)

R.É o Senhor quem sustenta minha vida!

3Por vosso nome, salvai-me, Senhor;*
e dai-me a vossa justiça!
4Ó meu Deus, atendei minha prece*
e escutai as palavras que eu digo!R.

5Pois contra mim orgulhosos se insurgem,
e violentos perseguem-me a vida:*
não há lugar para Deus aos seus olhos.
6Quem me protege e me ampara é meu Deus;*
é o Senhor quem sustenta minha vida!R.

8Quero ofertar-vos o meu sacrifício*
de coração e com muita alegria;
quero louvar, ó Senhor, vosso nome,*
quero cantar vosso nome que é bom!R.

Leitura da Carta de São Tiago (Tg 3,16-4,3)

Caríssimos: Onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más.

Por outra parte, a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento.

O fruto da justiça é semeado na paz para aqueles que promovem a paz.

De onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm, justamente, das paixões que estão em conflito dentro de vós?

Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir. E a razão está em que não pedis. Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal. Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres.

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos (Mc 9,30-37)

Naquele tempo, Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”.

Os discípulos, porém, não compreendiam estas palavras e tinham medo de perguntar. Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?”

Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior.

Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!”

Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: “Quem acolher em meu nome uma destas crianças, é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher, está acolhendo, não a mim, mas àquele que me enviou”.

Reflexão

A presença das pessoas de bem incomoda aqueles que trilham o caminho do mau, sendo a inveja sentimento aliado destes, responsável por nortear suas ações a fim de diminuir o prestígio de quem age certo. Uma pessoa invejosa falando mal de fulano vai sentir-se mais à vontade para agir erroneamente pensando: “agora todo mundo vai saber que este não é melhor do que eu”. Neste sentido, a liturgia deste domingo nos apresenta Herodíades, mulher do governador Filipe, que havia ficado muito incomodada com João Batista por ter denunciado sua união ilegítima com seu cunhado, Herodes Antipas. Com raiva e inveja do precursor, homem santo e querido pelo povo, ela fez com que Herodes o decapitasse.

Na nossa realidade, a inveja permeia as nossas relações diariamente. Por vezes nos encontramos numa constante busca por fama e poder, pela “necessidade” de uma rivalidade brutal em querer se descobrir maior e melhor do que outro. As mídias nos apresentam e promovem os magnatas, famosos, campeões e modelos – os “maiores” e “mais bem sucedidos” de nossa sociedade – “dignos” de admiração, donos de tronos e reinados imaginários, forjados nas relações de cobiça e poder. Porém, os pensamentos de Deus não são como os pensamentos dos homens, como nos aponta Tiago: “a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento” e ainda “Onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más”.

Jesus falava do Reino de Deus, realizava milagres e conquistava um número cada vez maior de seguidores que acreditavam que seu Mestre teria poder suficiente para derrubar os romanos e estabelecer o seu Reino sobre as nações. Alguns dos apóstolos de Jesus esperavam ver o Mestre tomar posse de seu reinado e estar junto dele neste dia, porém Jesus havia dito: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão”. De fato, os apóstolos ainda não haviam entendido e não tinham coragem de perguntar – parecia-lhes absurdo o Messias, rei dos Judeus, ser perseguido e assassinado.

No caminho para Cafarnaum, os discípulos então continuavam discutindo qual deles seria o maior no dia em que o Messias reinasse. Estando em casa, porém, Jesus perguntou: “o que estavam discutindo no caminho?” Eles ficaram calados, com vergonha de admitir sobre o que haviam falado. Então Jesus, conhecendo o coração dos seus, disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos”. Esta é a resposta à provocação que a liturgia de hoje nos faz. O maior é aquele que serve com humildade de coração e alegria! Voltemos nossas preces e orações para que, em nossa comunidade, redescubramos o prazer de SERVIR, AJUDAR e fazer coisas GRATUITAMENTE.


 Pe. Lourenço, CSC

 

23º Domingo Do Tempo Comum

Leitura do Livro do Profeta Isaías (Is 35,4-7a)

Dizei às pessoas deprimidas: “Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar”.

Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos, assim como brotarão águas no deserto e jorrarão torrentes no ermo.

A terra árida se transformará em lago, e a região sedenta, em fontes d’água.

Salmo – Sl 145,7.8-9a.9bc-10 (R.1.2a)

R.Bendize, ó minha alma ao Senhor.
Bendirei ao Senhor toda a vida!

O Senhor é fiel para sempre,*
7faz justiça aos que são oprimidos;
ele dá alimento aos famintos,*
é o Senhor quem liberta os cativos.R.

😯 Senhor abre os olhos aos cegos*
o Senhor faz erguer-se o caído;
o Senhor ama aquele que é justo*
9aÉ o Senhor quem protege o estrangeiro.R.

9bcEle ampara a viúva e o órfão*
mas confunde os caminhos dos maus.
10O Senhor reinará para sempre!
Ó Sião, o teu Deus reinará*
para sempre e por todos os séculos!R.

Leitura da Carta de São Tiago (Tg 2,1-5)

Meus irmãos: a fé que tendes em nosso Senhor Jesus Cristo glorificado não deve admitir acepção de pessoas.

Pois bem, imaginai que na vossa reunião entra uma pessoa com anel de ouro no dedo e bem vestida, e também um pobre, com sua roupa surrada, e vós dedicais atenção ao que está bem vestido, dizendo-lhe: “Vem sentar-te aqui, à vontade”, enquanto dizeis ao pobre: “Fica aí, de pé”, ou então: “Senta-te aqui no chão, aos meus pés”, não fizestes, então, discriminação entre vós? E não vos tornastes juízes com critérios injustos?

Meus queridos irmãos, escutai: não escolheu Deus os pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos (Mc 7,31-37)

Naquele tempo, Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole.

Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!”, que quer dizer: “Abre-te!”

Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade.

Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam.

Muito impressionados, diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.

Reflexão

As leis são importantes e povo sem elas é povo perdido em anarquia. Não é possível viver de forma civilizada sem respeitá-las. O Brasil tem boas leis e uma boa Constituição, porém o mais importante não é conhecê-las, mas observá-las. Quantas pessoas se vangloriam em burlar as leis? Quem bebeu, não deve dirigir’. ‘Mas há muita gente embriagada dirigindo’. ‘Sonegar impostos é crime. ‘E daí?’ Existem leis provisórias, costumes culturais e sociais que mudam com o tempo, e existem leis definitivas como os mandamentos de Deus, que nunca serão revogados.

O evangelho de hoje é uma lição para a formação de consciência de gente que quer viver plenamente sua liberdade. O que o ser humano tem de mais precioso depois da sua vida é sua liberdade e viver com ela é um verdadeiro prazer e o primeiro direito de um ser humano. Os animais agem por instinto, assim como nós, porém podemos controla-los e orientá-los para o nosso bem e o dos outros. Sermos racionais não é o motivo que assemelha nossa criação à imagem de Deus a lógica, inteligência e memória, os animais e os computadores também têm – mas sim o fato de possuirmos livre arbítrio. Isso só o ser humano tem, é a nossa grandeza!

Jesus é um homem perfeitamente livre. Não está preso às regras sociais, tradições e costumes culturais. Mais que por costumes exteriores, Jesus julga a partir dos valores internos. O espírito da lei é mais importante do que a letra. Jesus não vai valorizar uma pessoa pelo traje que está usando: terno e gravata; vestido na moda; corte de cabelo, valor das joias e dos brincos. Infelizmente muitas pessoas julgam pela aparência, maneira de falar, sotaque. Quantas pessoas vivem uma fé de fachada, religião de tradição (com ‘t’ minúsculo): pais que batizam filhos sem viverem o Sacramento; adolescentes que fazem a Primeira Comunhão sem o costume e vontade de ir à Missa; noivos infiéis que se casam na Igreja. Esses costumes, sem perseverança, tornam-se apenas ‘DATAS’ que irão para o álbum da família ou para um vídeo e/ou apresentação na ocasião de um aniversário qualquer.

Semana passada refletimos sobre a fidelidade e perseverança na fé, de como Josué cansou-se de ver as infidelidades do povo questionando: “Estais do lado do Deus Javé, o Senhor? Ou estais ao lado dos deuses pagãos?” Ao que o povo respondeu, dizendo: “Longe de nós abandonarmos o Senhor para servir a deuses estranhos, Serviremos ao Senhor, pois Ele é o nosso Deus”.

Imagine-se diante do altar para prometer fidelidade conjugal ou fazer votos religiosos. É sim ou não, nada pela metade. Para fazer as coisas certas, conforme as leis, é preciso adquirir o hábito que a moral chama de virtude. Um hábito contrário à virtude é chamado de vício. Tanto o vício quanto a virtude adquirem-se pela prática. Quem é virtuoso opta pelas coisas certas facilmente, sem esforço, porque acostumou-se assim. É desta maneira que se adquire a honestidade, disciplina, paciência, acolhimento, mansidão, castidade, respeito, humildade, franqueza, higiene, limpeza; que se aprende a não estragar coisas, respeitar pertences alheios e a não furar filas. É preciso discernir e praticar as virtudes morais antes dos costumes sociais. A honestidade é mais importante do que a limpeza. O respeito melhor do que a higiene. Ser autêntico é virtude. Ser vaidoso pode ser vício, pois a verdade é muito superior à falsidade.

No Evangelho de hoje, Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai todos e compreendei: O que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. Pois é de dentro do coração humano que saem as más inclinações, imoralidades, roubos, assassinatos, adultério, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, falta de juízo. Todas essas coisas más saem de dentro e são elas que tornam impuro o homem”.


 Pe. Lourenço, CSC

22º Domingo Do Tempo Comum

Leitura do Livro do Deuteronômio 4,1-2.6-8

Moisés falou ao povo, dizendo: “Agora, Israel, ouve as leis e os decretos que eu vos ensino a cumprir, para que, fazendo-o, vivais e entreis na posse da terra prometida pelo Senhor Deus de vossos pais.

Nada acrescenteis, nada tireis à palavra que vos digo, mas guardai os mandamentos do Senhor vosso Deus que vos prescrevo.

Vós os guardareis, pois, e os poreis em prática, porque neles está vossa sabedoria e inteligência perante os povos, para que, ouvindo todas estas leis, digam: ‘Na verdade, é sábia e inteligente esta grande nação!’ Pois, qual é a grande nação cujos deuses lhe são tão próximos, como o Senhor nosso Deus, sempre que o invocamos? E que nação haverá tão grande que tenha leis e decretos tão justos, como esta lei que hoje vos ponho diante dos olhos?”

Salmo – Sl 14,2-3ab.3cd-4ab.5 (R. 1a)

R.Senhor, quem morará em vossa casa
e no vosso monte santo, habitará?

2É aquele que caminha sem pecado*
e pratica a justiça fielmente;
3aque pensa a verdade no seu íntimo *
3be não solta em calúnias sua língua.R.

3cQue em nada prejudica o seu irmão,*
3dnem cobre de insultos seu vizinho;
4aque não dá valor algum ao homem ímpio,*
4bmas honra os que respeitam o Senhor.R.

5não empresta o seu dinheiro com usura,
nem se deixa subornar contra o inocente.*
Jamais vacilará quem vive assim!R.

Leitura da Carta de São Tiago 1,17-18.21b-22.27

Irmãos bem-amados: Todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm do alto; descem do Pai das luzes, no qual não há mudança nem sombra de variação.

De livre vontade ele nos gerou, pela Palavra da verdade, a fim de sermos como que as primícias de suas criaturas.

Recebei com humildade a Palavra que em vós foi implantada, e que é capaz de salvar as vossas almas. Todavia, sede praticantes da Palavra e não meros ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.

Com efeito, a religião pura e sem mancha diante de Deus Pai é esta: assistir os órfãos e as viúvas em suas tribulações e não se deixar contaminar pelo mundo.

Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 7,1-8.14-15.21-23:

Naquele tempo, os fariseus e alguns mestres da Lei vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus. Eles viam que alguns dos seus discípulos comiam o pão com as mãos impuras, isto é, sem as terem lavado. 3Com efeito, os fariseus e todos os judeus só comem depois de lavar bem as mãos, seguindo a tradição recebida dos antigos. Ao voltar da praça, eles não comem sem tomar banho. E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição: a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre.

Os fariseus e os mestres da Lei perguntaram então a Jesus: “Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas comem o pão sem lavar as mãos?”

Jesus respondeu: “Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. De nada adianta o culto que me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos’. Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens”.

Em seguida, Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai, todos, e compreendei: o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. Todas estas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem”.

Reflexão

As leis são importantes e povo sem elas é povo perdido em anarquia. Não é possível viver de forma civilizada sem respeitá-las. O Brasil tem boas leis e uma boa Constituição, porém o mais importante não é conhecê-las, mas observá-las. Quantas pessoas se vangloriam em burlar as leis? Quem bebeu, não deve dirigir’. ‘Mas há muita gente embriagada dirigindo’. ‘Sonegar impostos é crime. ‘E daí?’ Existem leis provisórias, costumes culturais e sociais que mudam com o tempo, e existem leis definitivas como os mandamentos de Deus, que nunca serão revogados.

O evangelho de hoje é uma lição para a formação de consciência de gente que quer viver plenamente sua liberdade. O que o ser humano tem de mais precioso depois da sua vida é sua liberdade e viver com ela é um verdadeiro prazer e o primeiro direito de um ser humano. Os animais agem por instinto, assim como nós, porém podemos controla-los e orientá-los para o nosso bem e o dos outros. Sermos racionais não é o motivo que assemelha nossa criação à imagem de Deus a lógica, inteligência e memória, os animais e os computadores também têm – mas sim o fato de possuirmos livre arbítrio. Isso só o ser humano tem, é a nossa grandeza!

Jesus é um homem perfeitamente livre. Não está preso às regras sociais, tradições e costumes culturais. Mais que por costumes exteriores, Jesus julga a partir dos valores internos. O espírito da lei é mais importante do que a letra. Jesus não vai valorizar uma pessoa pelo traje que está usando: terno e gravata; vestido na moda; corte de cabelo, valor das joias e dos brincos. Infelizmente muitas pessoas julgam pela aparência, maneira de falar, sotaque. Quantas pessoas vivem uma fé de fachada, religião de tradição (com ‘t’ minúsculo): pais que batizam filhos sem viverem o Sacramento; adolescentes que fazem a Primeira Comunhão sem o costume e vontade de ir à Missa; noivos infiéis que se casam na Igreja. Esses costumes, sem perseverança, tornam-se apenas ‘DATAS’ que irão para o álbum da família ou para um vídeo e/ou apresentação na ocasião de um aniversário qualquer.

Semana passada refletimos sobre a fidelidade e perseverança na fé, de como Josué cansou-se de ver as infidelidades do povo questionando: “Estais do lado do Deus Javé, o Senhor? Ou estais ao lado dos deuses pagãos?” Ao que o povo respondeu, dizendo: “Longe de nós abandonarmos o Senhor para servir a deuses estranhos, Serviremos ao Senhor, pois Ele é o nosso Deus”.

Imagine-se diante do altar para prometer fidelidade conjugal ou fazer votos religiosos. É sim ou não, nada pela metade. Para fazer as coisas certas, conforme as leis, é preciso adquirir o hábito que a moral chama de virtude. Um hábito contrário à virtude é chamado de vício. Tanto o vício quanto a virtude adquirem-se pela prática. Quem é virtuoso opta pelas coisas certas facilmente, sem esforço, porque acostumou-se assim. É desta maneira que se adquire a honestidade, disciplina, paciência, acolhimento, mansidão, castidade, respeito, humildade, franqueza, higiene, limpeza; que se aprende a não estragar coisas, respeitar pertences alheios e a não furar filas. É preciso discernir e praticar as virtudes morais antes dos costumes sociais. A honestidade é mais importante do que a limpeza. O respeito melhor do que a higiene. Ser autêntico é virtude. Ser vaidoso pode ser vício, pois a verdade é muito superior à falsidade.

No Evangelho de hoje, Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai todos e compreendei: O que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. Pois é de dentro do coração humano que saem as más inclinações, imoralidades, roubos, assassinatos, adultério, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, falta de juízo. Todas essas coisas más saem de dentro e são elas que tornam impuro o homem”.


 Pe. Lourenço, CSC

 

O Domingo: 21º Domingo do Tempo Comum

Leitura do Livro de Josué 24,1-2a.15-17.18b

Naqueles dias, Josué reuniu em Siquém todas as tribos de Israel e convocou os anciãos, os chefes, os juízes e os magistrados, que se apresentaram diante de Deus. Então Josué falou a todo o povo:

“Se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei hoje a quem quereis servir: se aos deuses, a quem vossos pais serviram na Mesopotâmia, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Quanto a mim e à minha família, nós serviremos ao Senhor”.

E o povo respondeu, dizendo: “Longe de nós abandonarmos o Senhor para servir a deuses estranhos. Porque o Senhor, nosso Deus, ele mesmo é quem nos tirou, a nós e a nossos pais, da terra do Egito, da casa da escravidão. Foi ele quem realizou esses grandes prodígios diante de nossos olhos, e nos guardou por todos os caminhos, por onde peregrinamos, e no meio de todos os povos pelos quais passamos. Portanto, nós também serviremos ao Senhor, porque ele é o nosso Deus”.

Salmo – Sl 33,2-3.16-17.18-19.20-21.22-23 (R.9a)

R.Provai e vede quão suave é o Senhor!

2Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,*
seu louvor estará sempre em minha boca.
3Minha alma se gloria no Senhor;*
que ouçam os humildes e se alegrem!R.

16O Senhor pousa seus olhos sobre os justos,*
e seu ouvido está atento ao seu chamado;
17mas ele volta a sua face contra os maus,*
para da terra apagar sua lembrança.R.

18Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta*
e de todas as angústias os liberta.
19Do coração atribulado ele está perto*
e conforta os de espírito abatido.R.

20Muitos males se abatem sobre os justos,*
mas o Senhor de todos eles os liberta.
21Mesmo os seus ossos ele os guarda e os protege,*
e nenhum deles haverá de se quebrar.R.

22A malícia do iníquo leva à morte,*
e quem odeia o justo é castigado.
23Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos,*
e castigado não será quem nele espera.R.

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios 5,21-32

Irmãos: Vós, que temeis a Cristo, sede solícitos uns para com os outros. As mulheres sejam submissas aos seus maridos como ao Senhor. Pois o marido é a cabeça da mulher, do mesmo modo que Cristo é a cabeça da Igreja, ele, o Salvador do seu Corpo. Mas, como a Igreja é solícita por Cristo, sejam as mulheres solícitas em tudo pelos seus maridos.

Maridos, amai as vossas mulheres, como o Cristo amou a Igreja e se entregou por ela. Ele quis assim torná-la santa, purificando-a com o banho da água unida à Palavra. Ele quis apresentá-la a si mesmo esplêndida, sem mancha nem ruga, nem defeito algum, mas santa e irrepreensível. Assim é que o marido deve amar a sua mulher, como ao seu próprio corpo. Aquele que ama a sua mulher ama-se a si mesmo.

Ninguém jamais odiou a sua própria carne. Ao contrário, alimenta-a e cerca-a de cuidados, como o Cristo faz com a sua Igreja; e nós somos membros do seu corpo!

Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne. Este mistério é grande, e eu o interpreto em relação a Cristo e à Igreja.

Evangelho de Jesus Cristo segundo João 6,60-69:

Naquele tempo, muitos dos discípulos de Jesus, que o escutaram, disseram: “Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la?”

Sabendo que seus discípulos estavam murmurando por causa disso mesmo, Jesus perguntou: “Isto vos escandaliza? E quando virdes o Filho do Homem subindo para onde estava antes? O Espírito é que dá vida, a carne não adianta nada. As palavras que vos falei são espírito e vida. Mas entre vós há alguns que não creem”.

Jesus sabia, desde o início, quem eram os que não tinham fé e quem havia de entregá-lo.

E acrescentou: “É por isso que vos disse: ninguém pode vir a mim, a não ser que lhe seja concedido pelo Pai”. A partir daquele momento, muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele. Então, Jesus disse aos doze: “Vós também vos quereis ir embora?”

68Simão Pedro respondeu: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. 69Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o Santo de Deus”.

Reflexão

O povo hebreu, depois que entrou na terra de Canaã, começou a ‘paquerar’ os deuses pagãos da região. Havia pouco tempo que o Deus de Abraão, Isaac e Jacó tinha revelado o seu nome a Moisés: “IA WEH” – Javé (Eu Sou), que quer dizer o ‘Deus Único’, não há outro! Josué então exige que o povo tome posição: “Escolhei hoje a quem quereis servir: Deus Javé ou deuses da Mesopotâmia ou ainda deuses dos Amorreus?” É uma questão de fidelidade – tema desta liturgia. Ninguém deve ficar em cima do muro: estais do lado do Deus Javé, o Senhor, ou estais do lado dos deuses pagãos? A resposta do povo foi: “Longe de nós abandonarmos o Senhor para servir a deuses estranhos. Serviremos ao Senhor, pois Ele é o nosso Deus”. Qual a nossa resposta hoje?

Seguir a Jesus Cristo é coisa séria – um compromisso. Em todo compromisso se promete o quê? Fidelidade! Mas ser fiel quando tudo vai bem é relativamente fácil, não? Veja os apóstolos de Jesus: na pesca, na praia com o mestre, nas Bodas de Canaã, na partilha dos 5 pães e dois peixes, na entrada triunfante de Jesus em Jerusalém como rei… ser fiel naqueles dias foi fácil. Ser fiel nas provações é outra história e, não se engane, ninguém escapa das provações. No Jardim das Oliveiras, quando Jesus entrou em agonia e pediu aos apóstolos para rezarem para não cair em tentação, eles não tiveram coragem e dormiram. Pouco tempo depois Jesus foi preso e nove deles fugiram. Pedro foi até o palácio do sinédrio, mas com medo de ser chamado para depor negou ter conhecido Jesus três vezes – e que vergonha, seu Pedro!

Hoje o evangelho relata que muitos seguidores de Jesus o abandonaram no final do discurso sobre o Pão da Vida. Jesus tinha dito: “Eu sou o Pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente e o pão que eu vou dar é a minha carne, para que o mundo tenha a vida”. Depois que ouviram essas coisas, muitos seguidores de Jesus disseram: “Esse modo de falar é duro demais. Quem pode continuar ouvindo isso?”. Então Jesus disse aos 12 apóstolos: “Vós também quereis ir embora?”. Foi aí que Simão Pedro respondeu: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o santo de Deus”. Que bela resposta! Aconteceu que ela foi dada por aquele mesmo Pedro, que na hora H disse jurando: “Eu não conheço este homem”. Pedro acreditava ou não acreditava que Jesus era o Pão da Vida? Ele fez sua Primeira Comunhão na Última Ceia, mas certamente não entendeu e não acreditou! Ele acreditou só depois da Ressurreição e, mesmo assim, Pedro e os outros apóstolos só começaram a celebrar a eucaristia depois de receber o Espírito Santo no dia de Pentecostes. Jesus não tinha dito “fazei isso em memória de mim”.

Pedro foi fraco, homem de pouca fé! Quantos católicos fizeram sua Primeira Comunhão e depois de poucos anos perderam a fé… ser fiel às vezes parece brincadeira, mas para Jesus é coisa séria. Compromisso sem fidelidade não é compromisso! Vivemos no provisório e descartável. Há muitos batizados que vão ao centro espírita e procuram a benzedeira; vão ao terreiro e paqueram igrejas evangélicas. Como anda a fé dessa gente?

Felizmente em nossas comunidades temos pessoas que acreditam mesmo e se dedicam corpo e alma pelos outros. Hoje queremos lembrar todos os leigos engajados nas pastorais e nos ministérios. São muitos os leigos em nossas paróquias que se dedicam perseverando durante anos numa pastoral ou num ministério: catequese para jovens, adultos e noivos; viático para idosos e doentes; pastoral da criança; ajuda aos necessitados. É também no ministério da liturgia; do canto litúrgico; da Palavra; ministério do dízimo. Todo cristão crismado recebeu os dons do Espírito Santo para agir conforme a vontade de Deus numa vocação leiga ou religiosa.


 Pe. Lourenço, CSC

O Domingo: ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA

Leitura do Livro do Apocalipse de São João 11,19a; 12,1-6a.10ab

Abriu-se o Templo de Deus que está no céu e apareceu no Templo a Arca da Aliança. Então apareceu no céu um grande sinal: uma Mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas.

Então apareceu outro sinal no céu: um grande Dragão, cor de fogo. Tinha sete cabeças e dez chifres e, sobre as cabeças, sete coroas. Com a cauda, varria a terça parte das estrelas do céu, atirando-as sobre a terra. O Dragão parou diante da Mulher, que estava para dar à luz, pronto para devorar o seu Filho, logo que nascesse. E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro. Mas o Filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. A mulher fugiu para o deserto, onde Deus lhe tinha preparado um lugar.

Ouvi então uma voz forte no céu, proclamando: “Agora realizou-se a salvação, a força e a realeza do nosso Deus, e o poder do seu Cristo”.

Salmo – Sl 44(45),10bc.11.12ab.16 (R. 10b)

R. À vossa direita se encontra a rainha,
com veste esplendente de ouro de Ofir.

10b As filhas de reis vêm ao vosso encontro,
ce à vossa direita se encontra a rainha
com veste esplendente de ouro de Ofir.

11.Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto:
“Esquecei vosso povo e a casa paterna!
12aQue o Rei se encante com vossa beleza!
b Prestai-lhe homenagem: é vosso Senhor!

16Entre cantos de festa e com grande alegria,
ingressam, então, no palácio real”.

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 15,20-26.28

Irmãos: Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram. Com efeito, por um homem veio a morte e é também por um homem que vem a ressurreição dos mortos.

Como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos reviverão. Porém, cada qual segundo uma ordem determinada: Em primeiro lugar, Cristo, como primícias; depois, os que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda.

A seguir, será o fim, quando ele entregar a realeza a Deus Pai, depois de destruir todo principado e todo poder e força. Pois é preciso que ele reine até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés. O último inimigo a ser destruído é a morte. Com efeito, “Deus pôs tudo debaixo de seus pés”.

Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 1,39-56

Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.

Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam. Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. Encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias. Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”.

Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.

Reflexão

Conforme a Tradição da Igreja, a mãe de Jesus, uma vez terminada a sua vida aqui na terra, foi elevada ao céu de CORPO e ALMA. Quer dizer que o corpo dela não sofreu decomposição alguma. O corpo dela transformou-se como aquele do seu Filho na Ressurreição. O dogma da Assunção foi proclamado em 1950, pelo papa Pio XII, nestes termos: “A Imaculada Virgem, terminado o curso da vida terrestre foi assunta em corpo e alma, à glória celeste”.

Na leitura do Apocalipse, a mulher na narrativa representa a Igreja perseguida pelo Império Romano no tempo do apóstolo e evangelista João, ou seja, simboliza o povo cristão, enquanto o Dragão simboliza o Império pagão. As estrelas simbolizam os 12 apóstolos e as 12 comunidades que são igrejas – 12 igrejas. Este trecho que a Liturgia aplica à pessoa de Maria significa a vitória da Igreja ressequida pelo povo pagão. Maria representa todo o Povo de Deus. Se ela venceu, todos nós, que somos seus filhos, venceremos nela. E qual é a importância para nós, o fato de Maria ter recebido a glorificação do seu corpo? É que Maria é humana igual à nós. Ela não é divina como Jesus (homem e Deus). Então Maria é NOSSA. Ela nos representa na luta pela Glorificação. Porque nós também queremos vencer e conseguir o prêmio da Glória no céu.

Maria ganhou a maior glória que todos nós cristãos almejamos: Desde a glorificação do corpo de Maria Assunta no céu, nós também temos a esperança de ganharmos depois da nossa partida deste mundo um corpo glorioso no céu. Jesus não nos prometeu apenas a imortalidade da alma. Ele nos prometeu a Vida Eterna pela ressurreição do nosso corpo. São Paulo escreveu na sua 1Carta aos Coríntios: “(nosso) corpo é semeado corruptível, mas ressuscita incorruptível; é semeado desprezível, mas ressuscita glorioso; é semeado na fraqueza, mas ressuscita cheio de força; é semeado corpo animal, mas ressuscita corpo espiritual”. Nós pertencemos a Cristo! Ainda segundo Paulo, “se Cristo ressuscitou, nós também ressuscitaremos”, e ele acrescenta: “com um corpo espiritual” – que quer dizer Corpo glorioso. (1 Cr. 15,4244).

A mãe de Jesus, Maria, já foi glorificada. O seu MAGNIFICAT é um hino de vitória: “A minha alma engrandece o Senhor e exulta meu espírito em Deus, meu Salvador; porque olhou para a humildade de sua serva, doravante as gerações hão de chamar-me de bendita. O Poderoso fez em mim maravilhas e Santo é o seu nome! Seu amor para sempre se estende sobre aqueles que o temem; manifesta o poder de seu braço, dispersa os soberbos; derruba os poderosos de seus tronos e eleva os humildes”. Esses humildes são os rebaixados, pobres, que ficam elevados pela Graça de Deus.

Esse Hino de Glória agora é nosso. Maria, nossa representante, é uma campeã. Ela, como seu Filho Jesus, venceu a morte. O seu Hino de Vitória e de Glória tornou-se o Hino Universal dos cristãos em todas as nações em que existem discípulos de Jesus Cristo. É claro que tudo isso aconteceu pela Graça de seu filho, o Vencedor da Cruz, do Pecado e da Morte.

Maria não é uma deusa, mas ela é cheia de Graça pela Vida do seu filho Jesus. Maria é também a nossa mãe desde o dia em que Jesus, do alto da cruz, deu-a a todos nós quando disse a João: “Essa é tua mãe”. João ao pé da cruz representava a todos nós. Sua Glorificação no céu nos glorifica também! No céu ganharemos um corpo espiritual como escreveu São Paulo na carta aos Coríntios.

Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós pecadores agora e na hora da nossa Páscoa. Amém.


 Pe. Lourenço, CSC

 

O Domingo: 19º Domingo do Tempo Comum

Leitura do Primeiro Livro dos Reis 19,4-8:

Naqueles dias, Elias entrou deserto adentro e caminhou o dia todo. Sentou-se finalmente debaixo de um junípero e pediu para si a morte, dizendo: “Agora basta, Senhor! Tira a minha vida, pois não sou melhor que meus pais”.

E, deitando-se no chão, adormeceu à sombra do junípero. De repente, um anjo tocou-o e disse: “Levanta-te e come!”

Ele abriu os olhos e viu junto à sua cabeça um pão assado debaixo da cinza e um jarro de água. Comeu, bebeu e tornou a dormir.

Mas o anjo do Senhor veio pela segunda vez, tocou-o e disse: “Levanta-te e come! Ainda tens um caminho longo a percorrer”.

Elias levantou-se, comeu e bebeu, e, com a força desse alimento, andou quarenta dias e quarenta noites, até chegar ao Horeb, o monte de Deus.

Salmo – Sl 33,2-3.4-5.6-7.8-9 (R. 9a)

R.Provai e vede quão suave é o Senhor!

2Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,*
seu louvor estará sempre em minha boca.
3Minha alma se gloria no Senhor;*
que ouçam os humildes e se alegrem!R.

4Comigo engrandecei ao Senhor Deus,*
exaltemos todos juntos o seu nome!
5Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu,*
e de todos os temores me livrou.R.

6Contemplai a sua face e alegrai-vos,*
e vosso rosto não se cubra de vergonha!
7Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido,*
e o Senhor o libertou de toda angústia.R.

8 O anjo do Senhor vem acampar*
ao redor dos que o temem, e os salva.
9Provai e vede quão suave é o Senhor!*
Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!R.

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios 4,30-5,2

Irmãos: Não contristeis o Espírito Santo com o qual Deus vos marcou como com um selo para o dia da libertação.

Toda a amargura, irritação, cólera, gritaria, injúrias, tudo isso deve desaparecer do meio de vós, como toda espécie de maldade.

Sede bons uns para com os outros, sede compassivos; perdoai-vos mutuamente, como Deus vos perdoou por meio de Cristo.

Sede imitadores de Deus, como filhos que ele ama. 2Vivei no amor, como Cristo nos amou e se entregou a si mesmo a Deus por nós, em oblação e sacrifício de suave odor.

Evangelho de Jesus Cristo segundo João 6,41-51:

Naquele tempo, os judeus começaram a murmurar a respeito de Jesus, porque havia dito: “Eu sou o pão que desceu do céu”.

Eles comentavam: “Não é este Jesus o filho de José? Não conhecemos seu pai e sua mãe? Como pode então dizer que desceu do céu?”

Jesus respondeu: “Não murmureis entre vós. Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. Está escrito nos profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai, e por ele foi instruído, vem a mim. Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. Em verdade, em verdade vos digo, quem crê, possui a vida eterna.

Eu sou o pão da vida. Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

Reflexão

Deus é mais PATERNAL do que PATERNALISTA. Elias não aguentava mais e pediu socorro. Deus atendeu, Ele veio ao socorro de Elias não para ser um salva-vidas, mas para fortalecê-lo; não somente satisfazer a sua fome, mas para lhe dar coragem. O anjo diz: “Levanta-te e come! Você tem um longo caminho a percorrer para cumprir sua missão. Precisa de forças.”.

Quem é Jesus? Jesus já disse quem Ele é em muitas ocasiões: “EU SOU”: “o Pão vivo que desceu do céu”. “o pão da vida”, “uma fonte de água viva que jorra para a vida eterna”, “a luz do mundo”, “o bom pastor” “a porta do curral”, “a Ressurreição e a Vida”, “a videira verdadeira”, “o Caminho, a Verdade, a Vida”. No Evangelho do 19º Domingo do Tempo Comum, Jesus se oferece como pão vivo para nos alimentar na caminhada, fortalecendo-nos nas dificuldades, provações da vida e no cansaço do trabalho, em resumo: para não desistirmos. Os judeus criticavam Jesus porque tinha dito: “Eu sou o pão vivo descido do céu”. Eles diziam: “Este Jesus não é o filho do carpinteiro José? Como é que Ele pode dizer que veio do céu? As palavras d’Ele não fazem sentido”. No fundo, é pelo dom da fé que uma pessoa vê Deus em Jesus. Isso acontece até os dias de hoje.

Jesus fala no presente: “Aquele que crê, já tem a vida eterna”, e continua dizendo: “Eu o ressuscitarei no último dia”. Essas palavras para nós cristãos são muito conhecidas. Numa Missa no 7º dia de uma pessoa falecida lembramos estas mesmas palavras. Para aquele que faleceu e pelo qual estamos rezando, o último dia aconteceu com sua morte física. Porém, sabemos que ele vive em Jesus Cristo. O sermão do pão da vida interpreta a Eucaristia e lembra o maná do deserto vindo do céu. Entretanto, o maná não dava direito à vida eterna. A Eucaristia, sim!

A segunda parte deste Evangelho constitui o núcleo sobre o sermão do pão da vida. Jesus se auto define como sendo Ele o pão que dá a vida eterna. Esse pão é bem diferente do maná do deserto, que além de ser pão perecível, não podia dar vida eterna a quem o comia, pois o maná era alimento provisório. O pão que Jesus quer nos dar é Ele mesmo, porque Jesus pertence a Deus – seu Pai. “O pão que darei é minha carne para vida do mundo” (v.51). Essas palavras são fortíssimas, Jesus se oferece para assimilar no seu Corpo aqueles que participarão da sua vida.

Essa proposta de Jesus encontra a resistência dos judeus, que murmuram por achar difícil que Deus se manifeste em Jesus sendo ele um homem comum, filho de José carpinteiro, enfim, um simples mortal. Os judeus eram incapazes de acreditar que Jesus pudesse ser verdadeiramente o filho de Javé, Criador do mundo, pois a grandeza de Deus não se compara a do homem. Ao apresentar-se como o pão que desceu do céu, Jesus estava também testando a fé dos seus apóstolos. O mestre fazia milagres, curava doentes, podia acalmar tempestades e até ressuscitar mortos. Mas ainda assim, ouvir Jesus dizer que a vida eterna é dada a quem come a carne do Filho do Homem, era difícil de aceitar. Ao apresentar-se como o pão que desceu do céu Jesus convidava seus seguidores a se alimentarem desse pão. É importante ler direitinho: “Isto é o meu corpo entregue por vós” e “Isto é meu sangue derramado por vós”. Não simplesmente ‘Isto é o meu corpo’.

Jesus foi imprudente em revelar sua divindade para um grupo de coração duro, não querendo o aceitar como Filho de Deus. Para nós católicos, que acreditamos na Eucaristia desde nossa ‘primeira comunhão’, é mais fácil entender que um pedaço de pão possa ser consagrado para tomar-se verdadeiramente Corpo Vivo de Jesus Cristo. Comer do pão da vida não consiste apenas em comungar na missa. Comer o Corpo de Cristo consiste em nos deixar transformar por Ele, isto é, ser assimilado na totalidade do seu Corpo Místico. Comer um pão não consagrado é como comer o maná. Receber em comunhão com uma comunidade e em comunhão com Jesus hóstia consagrada é Partilhar do Corpo de Cristo alimentando-se para a eternidade. A herança mais preciosa que Jesus nos deu é sua própria vida no pão eucarístico.

Quando comemos arroz e feijão assimilamos aquela comida tornando a nosso sangue. Comungar ao Pão eucarístico não é assimilar, mas é ser assimilado no próprio Corpo Místico de Jesus Cristo. O Corpo Místico é formado de todas as pessoas que pertencem à Igreja de Cristo. Pois o Pão do Céu nos assimila ao grande Corpo de Cristo. Portanto, a comunhão não é só com Jesus. Mas comungamos com todos os fiéis reunidos na mesma fé partilhando suas alegrias e seus desafios.


 Pe. Lourenço, CSC