Alunos do Colégio Santa Cruz lançam jornal Falaí!

Jornal é produzido por alunos da Oficina de Mídias

Reprodução: Colégio Santa Cruz

Os alunos do Colégio Santa Cruz, instituição de ensino que tem como mantenedora a Congregação de Santa Cruz, publicaram a edição de 2021 do jornal Falaí! O jornal é produzido pelos integrantes da Oficina de Mídias, atividade complementar oferecida para os alunos do Fundamental 2, que se dá sob orientação dos educadores Rafael Gonçalves e Tatiana Luz. Ao longo de 2021, devido às restrições causadas pela pandemia de Covid-19, as atividades da oficina desenvolveram-se do modo não presencial. 

O jornal traz diversas pautas sobre trabalhos realizados no ambiente escolar, sobre projetos sociais, tecnologia e inovação, meio ambiente e entrevistas diversas! Dentre os convidados da presente edição estão Jadel Gregório, medalhista olímpico e recordista mundial, e Raphael Cruz, atleta que participou das Paralimpíadas.

Como novidade, na edição 2021, o jornal Falaí! tem um caderno inteiramente dedicado ao esporte que, além das entrevistas com atletas renomados, traz também matérias sobre a Copa do Mundo de Futsal e a 64ª Festa dos Esportes, evento mais longevo do Colégio Santa Cruz.

Confira todas as matérias do jornal Falaí! pelo link: https://portalcei.santacruz.g12.br/~informes/falai_ed_07/index.html.

Nota de Falecimento: Pe. José Amaral de Almeida Prado

É com profunda tristeza que a Congregação de Santa Cruz comunica o falecimento do Padre José Amaral de Almeida Prado, aos 91 anos, ocorrido hoje (13). Primeiro padre brasileiro da Congregação de Santa Cruz, Pe. José contemplou o Colégio Santa Cruz e seus funcionários com sua amorosa companhia e seu dedicado trabalho desde 1954, apenas dois anos após a fundação da instituição pelos padres canadenses.

Pe. José foi professor de Latim, Português e Religião entre 1955 e 1963 do Curso Ginasial, assumindo em seguida a função de diretor do curso até 1968. Presente na vida do Colégio, ele continuou seus estudos, doutorando-se na Universidade de São Paulo (USP) e lecionando na Universidade Estadual Paulista (UNESP). Chegou ao cargo de superior do Distrito da Congregação de Santa Cruz no Brasil entre 1980 e 1986 e, posteriormente, no período de 1994 a 1999. Era membro do Conselho de Administração do Colégio Santa Cruz desde 1995, exercendo a presidência do conselho por mais de 10 anos.

Retornou ao Colégio Santa Cruz em 2000 como parte da equipe pastoral e, em 2010, tornou-se orientador espiritual do Colégio, desempenhando importante papel na vida de alunos, familiares e educadores de todos os setores. Em 2014, a escola eternizou o reconhecimento de sua trajetória batizando o novo prédio do Ensino Fundamental 2 com seu nome. Hoje, o local é conhecido como Pavilhão Padre José Amaral de Almeida Prado.

Recentemente declarou que estes últimos anos trabalhando no Colégio Santa Cruz foram os mais felizes de sua vida, pois amava andar pela escola, onde era sempre abordado por educadores e estudantes que queriam conversar ou desfrutar alguns minutos de convivência com ele.

A Congregação de Santa Cruz presta condolências aos familiares, amigos e comunidade do Pe. José. Homem de graça e espiritualidade imensuráveis, Pe. José estará para sempre marcado na história da Congregação e do Colégio Santa Cruz por seu árduo e dedicado trabalho, e no coração de todos aqueles que partilharam momentos ao seu lado.

Colégio Dom Amando realiza Semana Pedagógica

Evento reúne equipes pedagógica e administrativa para alinhar perspectivas para o ano letivo

O Colégio Dom Amando, que tem como mantenedora a Congregação de Santa Cruz, realiza, desde 10 de janeiro até o próximo dia 14, sua tradicional Semana Pedagógica. O encontro reúne as equipes pedagógica e administrativa do Colégio, com o intuito de potencializar as relações de ensino-aprendizagem e alinhar perspectivas para o ano letivo de 2022.

O primeiro dia do evento, realizado na última segunda-feira, dia 10 de janeiro, foi marcado pela troca de conhecimentos, pela acolhida, por louvores e orações, com a participação especial da equipe pastoral do Colégio Dom Amando. Esse encontro contou com a participação da Superintendente da Congregação de Santa Cruz, Geani Moller Cavallaro, que conversou com os presentes sobre processos administrativos da mantenedora. O Diretor Pedagógico Geral do Colégio, Fernando Frozza, por sua vez, desenvolveu uma pauta específica sobre organização escolar, projetos formativos e calendários. O encontro se completou com uma formação continuada para os educadores de Santa Cruz com o psicólogo escolar André Santos de Souza.

CECOIA recebe doação de alimentos para as famílias atendidas

Centro distribuiu alimentos doados para atendimento de suas famílias

O Centro Comunitário Irmão André (CECOIA), instituição de Campinas que tem como mantenedora a Congregação de Santa Cruz, recebeu, em dezembro, doação de diversos alimentos a serem distribuídos para as famílias atendidas. Os produtos foram doados pela Mesa Brasil, OBA Hortifruti, Banco de Alimentos, Ermitage e Colégio Notre Dame.

Quinze famílias foram beneficiadas, ainda no mês de dezembro, com a entrega de produtos diversos, como leite, suco, frutas e legumes. Além disso, todos os 183 atendidos receberam panetones.

Graças à generosidade das instituições doadoras, a Congregação de Santa Cruz aproximou-se, ainda mais, das famílias atendidas e, com alegria, viabilizou que elas pudessem ter um Natal um pouco mais farto.

Colégio Santa Cruz abre inscrições para vagas remanescentes do EJA

Inscrições vão de 10 a 14 de janeiro e devem ser feitas diretamente no Colégio

O Colégio Santa Cruz, que tem como mantenedora a Congregação de Santa Cruz, abrirá, no próximo dia 10 de janeiro, inscrições para vagas remanescentes do curso noturno: Educação de Jovens e Adultos (EJA) 2022. As vagas são direcionadas para quem deseja completar o Ensino Fundamental (quem estudou até o 5º ano, apenas) ou para quem deseja cursar o Ensino Médio.  Destaque-se que, em qualquer caso, o curso é gratuito.

As inscrições ficarão abertas até dia 14 de janeiro e devem ser feitas diretamente no Colégio Santa Cruz, localizado na Avenida Arruda Botelho, número 255, no bairro Alto de Pinheiros. Os interessados devem comparecer na unidade das 14h às 20h.

Para mais informações, basta entrar em contato com o Colégio pelo e-mail secretacn@santacruz.g12.br ou pelo telefone (11) 3024-5198.

Colégio Notre Dame divulga alunos aprovados no vestibular 2022

Reprodução: Colégio Notre Dame

Estudantes foram aprovados em diversas universidades públicas, particulares e internacionais

O Colégio Notre Dame, instituição de ensino mantida pela Congregação de Santa Cruz, divulgou orgulhosamente em seu site a lista de alunos aprovados nos vestibulares 2022. Os estudantes cursaram o terceiro ano no Colégio ao longo de 2021 e participaram do processo seletivo de diversas universidades nacionais e internacionais.

Os alunos do Colégio marcaram presença nas convocações de diversas faculdades particulares conceituadas, como Mackenzie, Fundação Getúlio Vargas e Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP).  Além dessa primeira aprovação, muitos alunos figuram entre os aprovados na primeira fase dos vestibulares para faculdades públicas nacionais (como Unicamp e FUVEST) e universidades internacionais (como a St. Edwards University, Penn State e Liberty University, todas nos Estados Unidos da América).  Sendo assim, ficamos na expectativa de novas e positivas notícias sobre o desempenho dos alunos do Notre Dame nos processos seletivos de ingresso na vida universitária.

Confira a lista de aprovados pelo link: https://www.notredamecampinas.com.br/wp-content/uploads/2021/12/aprovados-lista-geral-2022-4.pdf.

A Congregação de Santa Cruz parabeniza todos os alunos aprovados nas diversas universidades nacionais e internacionais e deseja a todos um percurso acadêmico abençoado e repleto de aprendizado!

Outubro Rosa e Novembro Azul: Juntos pela Promoção Da Saúde

Educadores de Santa Cruz unem-se em favor da saúde e do bem-estar

A Congregação de Santa Cruz, organização religiosa sem fins lucrativos, cujos pilares assentam-se em valores e princípios cristãos, mais uma vez se faz presente em seu compromisso em favor da Vida e da dignidade humana.

Para isso, os colaboradores que atuam na mantenedora da Congregação foram incentivados a usar, em outubro e novembro, pequenos laços nas cores rosa e azul, respectivamente. Os laços rosa e azul estão associados às figuras feminina e masculina, constituindo-se em delicadas manifestações simbólicas de apoio à prevenção e ao diagnóstico precoce de dois tipos importantes de câncer que, recorrentemente, atingem a população: o câncer de mama e o câncer de próstata.

O laço surgiu, nos anos finais da década de 70, como símbolo de luta e de esperança e, nos anos 90, foi incorporado às campanhas de prevenção idealizadas com o objetivo de conscientizar e alertar a sociedade sobre a importância de ações preventivas sobre o cuidado com a saúde, entre as quais a auto-observação e os exames médicos regulares.

Atento à relevância dessa iniciativa, o departamento de recursos humanos da instituição promoveu esclarecedoras palestras temáticas com profissionais especializados que abordaram aspectos da saúde humana e, em especial, sobre o câncer de mama e o câncer de próstata. Os colaboradores responderam de modo muito positivo a essas iniciativas, participando ativamente dessas oportunidades de aprendizagem e conscientização.

O engajamento da equipe ficou marcado por meio de um registro fotográfico em que todos demonstram sua inequívoca adesão às valorosas campanhas de conscientização, trazendo no peito os dois símbolos unidos: outubro rosa e novembro azul. Assim, a Congregação de Santa Cruz nos inspira ao zelo e à atenção para com cada um e para com todos, em favor do bem maior com que Deus nos presenteou: a Vida.

Coordenação Geral de Serviço Social promove Webnar sobre a missão de Santa Cruz

Evento, em sua 5ª. Edição, incentiva reflexão sobre a Missão de Santa Cruz no Brasil

Reprodução

Em 26 de outubro, Lilian A. Bughi, coordenadora geral de Serviço Social da Mantenedora da Congregação de Santa Cruz, promoveu a 5ª. Webnar do grupo de assistentes sociais das unidades educacionais e sociais mantidas pela Congregação, abordando o importante tema “A missão e o carisma dos Assistentes Sociais de Santa Cruz”. Aproveitando o mês dedicado às Missões, a reflexão favoreceu a articulação das dimensões teórico metodológicas, ético-política e técnico-operativa do Serviço Social como profissão, dando destaque à Missão e ao Carisma da instituição.

Os eventos têm como proposta discutir temáticas, em que o fazer educativo se concretiza nas interfaces entre a Educação, o Serviço Social e as ações Pastorais. Foram conduzidos por talentos profissionais destacados entre os colaboradores da CSC. Na sua 5ª. Edição, a temática discutida relacionou a Missão em sua essência e o papel dos assistentes sociais nas unidades da Congregação.

Convidado, o Irmão Ronaldo A. Almeida, Presidente da organização e Superior do distrito Brasil da Congregação de Santa Cruz, não apenas se fez presente, mas deixou uma significativa homenagem ao grupo:  “Foi um importante momento para ouvir sobre a missão e o carisma dos Assistentes Sociais de Santa Cruz, bem como para escutar os vários relatos que as motivaram a cursar Serviço Social, destacando o desejo de ajudar ao próximo, de fazer a diferença na sociedade”. Irmão Ronaldo, a seguir, compartilhou trecho da Constituição da Congregação de Santa Cruz, que esclarece: “A missão não é simples, pois os tipos de pobreza que teremos de aliviar não são simples. Há uma cadeia de privilégios, de preconceitos e poderes tão generalizados na sociedade que muitas vezes nem os opressores nem as vítimas têm consciência deles…. O nosso zelo pela dignidade de todos os homens, filhos queridos de Deus, nos leva a ocupar-nos com as vítimas de todo tipo de sofrimento: preconceito, fome, guerra, ignorância, infidelidade, vício e calamidade natural. ”

À luz dessa valorosa reflexão, Lilian incentivou o grupo a perseverar em sua opção missionária, em favor de tantos desprivilegiados que vivem este difícil momento da história do país, agradecendo a partilha, o zelo, o sentido de pertença e comprometimento para com a Missão da Congregação de Santa Cruz, que tornaram possível nossa trajetória de mais de 77 anos de missão em terras brasileiras. Que o nosso fundador – Pe. Basílio Moreau, interceda por todos nós para que continuemos firmes na missão a nós confiada, na certeza de que juntos somos mais fortes!

FONIF realiza evento online no Dia Nacional da Filantropia

Encontro terá participação de políticos e grandes nomes da filantropia  

Participação da Congregação de Santa Cruz no evento do FONIF 2020

O Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF), do qual a Congregação de Santa Cruz é associada, realizará, no próximo dia 20 de outubro, das 10h às 12h, um evento digital e gratuito sobre a importância da filantropia no combate à desigualdade social no Brasil. O encontro, que acontece no Dia Nacional da Filantropia, debaterá os impactos positivos da filantropia com líderes de grandes instituições filantrópicas e políticos. O evento será aberto ao público, mediante inscrição prévia.

O evento contará com a participação de Custódio Pereira, presidente do FONIF, e dos deputados federais Eduardo Barbosa (PSDB – MG) e Antônio Brito (PSD – BA). Do painel “O papel da filantropia no desenvolvimento social e redução das desigualdades no Brasil”, uma das principais atividades do encontro, participarão Julia Povoas, Diretora de Relações Institucionais da Santa Casa de São Paulo; Vidal Martins, Vice-Reitor da PUC-PR e Fernanda Maués Ribeiro, Superintendente de Administração e Finanças da AACD.

A intermediação será feita por Renata Cafardo, repórter especial e colunista do jornal O Estado de São Paulo, autora de “O Roubo do Enem”, editora Record.

Programação:

10h – Abertura: Custódio Pereira;
10h10 – Deputados Federais Eduardo Barbosa (PSDB – MG) e Antônio Brito (PSD – BA);
10h40 – Painel “O papel da filantropia no desenvolvimento social e redução das desigualdades no Brasil”.

Pe. José Paim: Memória de Nossa Senhora das Dores

Estamos próximos da memória litúrgica de Nossa Senhora das Dores, celebrada todos os anos em 15 de setembro, subsequente à Festa da Exaltação de Santa Cruz. À memória de Nossa Senhora das Dores une-se a Sexta-feira de Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, dia em que ele se entregou ao Pai pela humanidade e nos salvou do pecado e da morte. Na Sexta-feira da Semana Santa nos unimos aos padecimentos da Virgem Maria, aquela que na hora da morte de Jesus Cristo se unia de modo ímpar e ele, pronunciando o seu sim no silêncio do coração, ainda que trespassado pela dor de vê-Lo morrer na cruz, aceitando com ele o cumprimento da vontade do Pai em obediência total e filial, que aponta para a vitória genuína que destrói o mal e a morte.

Dos padecimentos da Virgem, a piedade popular colheu o que hoje muitos conhecem e rezam como as “sete dores” de Maria. A primeira dor está ligada à profecia de Simeão a respeito da espada que trespassará o coração de Maria (cf. Lc 2,35); a segunda dor no recorda a fuga de José e Maria com Jesus para o Egito (cf. Mt 2,13-23); a terceira dor, lembra os três dias que Maria e José procuram Jesus e o reencontram no Templo (cf. Lc 2,41-50; a quarta dor, nos reporta ao encontro de Maria com Jesus indo para o Calvário (cf. Jo 19,25); a quinta, a sexta e a sétima dores nos levam a contemplar os últimos momentos de Jesus Cristo e sua agonia final, isto é, a morte de Nosso Senhor, sua descida da cruz e seu sepultamento. Nestes últimos momentos da existência terrena do Filho, a Mãe permaneceu, como em toda sua vida, unida a ele. Faz-nos bem, especialmente em tempos difíceis e de provação, como os dias atuais, meditar a vida do Filho na companhia de Nossa Senhora.   

O que está recolhido na piedade popular é fruto do que a Igreja medita em Maria, à luz das Sagradas Escrituras e da Tradição da Igreja, sobre o seu mistério materno divino, de mãe e figura da Igreja, que pode ser visto por nós em Jo 19,25-27, evangelho lido na liturgia da memória de Nossa Senhora das Dores e posteriormente no n. 63 da Lumem Gentium, documento do Concílio Vaticano II.

No quarto evangelho, Nossa Senhora é mencionada duas vezes e em dois momentos altos da vida de Jesus Cristo. A primeira no início do ministério público de Jesus, nas bodas em Caná da Galileia (cf. Jo 2,1-11) e a segunda no fim da vida pública dele, na hora de sua crucificação (cf. Jo 19,25-27). Entre uma cena e outra é possível ver paralelismos que nos possibilitam entender a participação íntima de Maria na vida de Jesus Cristo, o que reforça para nós o dom de sua maternidade divina e sua missão como Mãe da Igreja e nossa Mãe, ela que continua a nos acompanhar com sua intercessão maternal em nossas dores e dificuldades diárias.

Em Caná, Maria é mencionada por João como a mãe de Jesus e o Filho a chama de mulher. Como mãe, atenta às necessidades da comunidade, no vinho que veio a faltar, ela pede a Jesus e mostra o Filho aos serventes para que a abundância da alegria de Deus se manifestasse na vida do Israel crente. Claro que o relato aponta para a revelação de Jesus como o Esposo da comunidade reunida esperando o seu Senhor, mas também podemos ver aqui a participação de Nossa Senhora na antecipação da hora do Filho em favor da humanidade carente de dignidade, pecadora, privada de amor, tentada ao desânimo.

Na consumação da vida terrena de Jesus, Maria é novamente referenciada pelo evangelista como a mãe de Jesus e mais uma vez o Filho a chama de mulher e também de mãe quando a entrega ao discípulo amado. O gesto de Jesus de entregar Maria por mãe ao discípulo amado não é mera piedade filial, mas aponta para algo maior, isto é, para a missão dela como Mãe da Igreja, nascida ali na sua morte e ressurreição e por consequência, como nossa mãe. Assim como o Pai revelou o seu amor pelo Filho (cf. Mt 3,17; Mc 9,2-13), Jesus Cristo na chegada de sua hora testemunha o seu amor pela Mãe, aquela que em tudo o agradou. Tudo que Maria viveu, fez e disse foi em perfeita união com Jesus Cristo, inclusive desde a concepção do Verbo divino no seu seio virginal, até o calvário, quando a união da Virgem de Nazaré com seu Filho alcança seu apogeu.

Nesse sentido, lê-se na Lumen Gentium: “Pelo dom e missão da maternidade divina, que a une a seu Filho Redentor, e pelas suas singulares graças e funções, está também a Virgem intimamente ligada, à Igreja: a Mãe de Deus é o tipo e a figura da Igreja, na ordem da fé, da caridade e da perfeita união com Cristo, como já ensinava S. Ambrósio” (n. 63).

Porque Nossa Senhora esteve em toda sua vida unida a Jesus Cristo, também no sofrimento dele na cruz, ela participa ativamente em nossas vidas, nas dores da humanidade, na vida dos que padecem e nos ensina que as dores do tempo presente não se encerram em si mesmas, mas tem seu sentido pleno no mistério pascal de Jesus Cristo, na oferta generosa de sua vida ao Pai por nós.

Ao fazer memória de Nossa Senhora das Dores peçamos que o Senhor reavive em nós a firmeza da fé e da esperança a fim de vivermos em tudo unidos a Jesus Cristo. Peçamos também a Deus, à semelhança de Maria, a graça da sensibilidade, da compaixão e da proximidade nossa aos seres humanos que mais sofrem nos dias atuais. Pensemos, por exemplo, em tantas mães que, a exemplo de Nossa Senhora, perdem seus filhos de modo brutal, neste mundo de tanta violência; pensemos em tantas formas de preconceitos e exclusão que matam e destroem; pensemos nas famílias que perderam seus entes queridos neste tempo de pandemia e peçamos ao Senhor que nos dê a graça de aprender com Nossa Senhora a permanecer unidos a Jesus Cristo e de participar ativamente na vida dos que sofrem.

Agradeçamos também a Deus por ter inspirado o Beato Basílio Moreau para a fundação da Congregação de Santa Cruz e por nos ter dado Nossa Senhora das Dores como nossa Padroeira. Deus conceda a todos nós, religiosos em Santa Cruz, a graça de renovar nossa vocação e nos comprometer com a missão de anunciar ao mundo que a Cruz de Cristo é nossa única esperança, de formar mentes e corações para Deus e para a sociedade e de, como Nossa Senhora das Dores, nos fazer presentes na vida das pessoas, especialmente dos mais necessitados, de colaborar ativamente na construção e um mundo melhor, mais justo e fraterno. Por fim, que o Senhor envie à Igreja e à Congregação de Santa Cruz jovens que queiram doar suas vidas para o serviço do Evangelho.

Nossa Senhora das Dores!

Rogai por nós!


Pe. José Paim, CSC