Sobre nós

A Congregação de Santa Cruz é uma congregação religiosa de direito pontifical, fundada em 1837, pelo Padre Basílio Antônio Moreau e que, até hoje, reúne homens que vivem e trabalham sob a aprovação e autoridade do sucessor de Pedro.

A Congregação é composta por duas sociedades distintas de religiosos, uma de Padres e uma de Irmãos, unidos em uma fraternidade indivisível.

Ao redor do mundo, a Congregação reúne cerca de 1.500 religiosos, entre padres e irmãos, presentes em 16 países. Em suas atuações, esses religiosos dedicam-se à formação e ao desenvolvimento integral do ser humano. Fiéis aos ideais missionários do Padre Basílio Moreau, padres e irmãos da Congregação de Santa Cruz doam suas vidas e consagram a vocação ao serviço do próximo.

Essas atuações se estendem a paróquias, comunidades, escolas, universidades e instituições sociais. Os trabalhos se concentram sempre em prol dos irmãos mais carentes e necessitados, tornando-se religiosos e leigos de Santa Cruz – próximos daqueles com quem convivem.

Nosso símbolo

O símbolo da Congregação é formado por diversos elementos:

As âncoras simbolizam a fixação do Amor Infinito no lenho da Cruz; uma delas representa a fé dos religiosos no Mistério Pascal, enquanto a outra marca sua esperança na vitória do amor sobre o ódio

O lenho da cruz é de onde acredita-se que brota a Vida Nova pelo fato da Ressureição

A cruz representa o feito do Amor Infinito de Deus; ela simboliza também a vulnerabilidade do próprio amor, já que quem mais ama é sempre o mais vulnerável

O lema da Congregação, “SPES ÚNICA”, pode ser traduzido como “A CRUZ NOSSA ÚNICA ESPERANÇA” e é simbolizado pelo escudo que apresenta a cruz atravessada por duas âncoras.

Assim, os religiosos de Santa Cruz são chamados a serem portadores de esperança desde a Cruz de Cristo e vivem, como Cristo, uma experiência pascal, pela qual a dor e a vida nova conduzem ao encontro pleno com Deus na ressureição.

A Família Santa Cruz

Após a fundação da Congregação, o Padre Moreau formou uma família de três sociedades: homens e mulheres, Padres, Irmãos e Irmãs, para serem sinais de amor e unidade em um mundo dividido. Hoje, a família compreende quatro Congregações de Santa Cruz.

Segundo a idealização do Padre Basílio Moreau, os Padres, Irmãos e Irmãs seriam reunidos em uma só Congregação, como uma imitação da Sagrada Família. Dessa forma, os religiosos Salvatoritas (padres), Josefitas (irmãos) e Marianitas (irmãs) teriam serviços específicos, unidos na missão.

Por determinação do Papa, no entanto, as Irmãs ficaram como uma Congregação autônoma. No entanto, estas continuam partilhando, em muitas realidades, as frentes missionárias com padres e irmãos, no espírito da Família de Santa Cruz.

Irmãs de Santa Cruz

Em 1857, como condição para a concessão de reconhecimento oficial para Santa Cruz como um instituto religioso, a Santa Sé exigiu a separação formal das comunidades masculina e feminina, que tinham crescido juntas, sob a liderança de Padre Moreau.

Posteriormente, as Irmãs se oficializaram como três congregações:

Marianitas de Santa Cruz,
na França
Irmãs da Santa Cruz,
nos Estados Unidos
Irmãs de Santa de Cruz,
no Canadá