O Domingo: 33º Domingo Do Tempo Comum

Leitura da Profecia de Daniel 12,1-3

“Naquele tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, defensor dos filhos de teu povo; e será um tempo de angústia, como nunca houve até então, desde que começaram a existir nações. Mas, nesse tempo, teu povo será salvo, todos os que se acharem inscritos no Livro.

Muitos dos que dormem no pó da terra despertarão, uns para a vida eterna, outros para o opróbrio eterno.

Mas os que tiverem sido sábios brilharão como o firmamento; e os que tiverem ensinado a muitos homens os caminhos da virtude brilharão como as estrelas, por toda a eternidade.

Salmo – Sl 15,5.8.9-10.11 (R.1a)

R. Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

5Ó Senhor, sois minha herança e minha taça,*
meu destino está seguro em vossas mãos!
8Tenho sempre o Senhor ante meus olhos,*
pois se o tenho a meu lado não vacilo.R.

9Eis por que meu coração está em festa,
minha alma rejubila de alegria,*
e até meu corpo no repouso está tranqüilo;
10pois não haveis de me deixar entregue à morte,*
nem vosso amigo conhecer a corrupção.R.

11Vós me ensinais vosso caminho para a vida;
junto a vós, felicidade sem limites,*
delícia eterna e alegria ao vosso lado!R.

Leitura da Carta aos Hebreus 10,11-14.18

Todo sacerdote se apresenta diariamente para celebrar o culto, oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, incapazes de apagar os pecados. Cristo, ao contrário, depois de ter oferecido um sacrifício único pelos pecados, sentou-se para sempre à direita de Deus. Não lhe resta mais senão esperar até que seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés.

De fato, com esta única oferenda, levou à perfeição definitiva os que ele santifica. Ora, onde existe o perdão, já não se faz oferenda pelo pecado.

Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos (Mc 13,24-32)

Naquele tempo:
Jesus disse a seus discípulos: Naqueles dias, depois da grande tribulação, o sol vai se escurecer, e a lua não brilhará mais, as estrelas começarão a cair do céu e as forças do céu serão abaladas. Então vereis o Filho do Homem vindo nas nuvens com grande poder e glória. Ele enviará os anjos aos quatro cantos da terra e reunirá os eleitos de Deus, de uma extremidade à outra da terra. Aprendei, pois, da figueira esta parábola: quando seus ramos ficam verdes e as folhas começam a brotar, sabeis que o verão está perto. Assim também, quando virdes acontecer essas coisas, ficai sabendo que o Filho do Homem está próximo, às portas.
Em verdade vos digo, esta geração não passará até que tudo isto aconteça. O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. Quanto àquele dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas somente o Pai.

Reflexão

O profeta Daniel fala do fim dos tempos. Este fim pode ser interpretado de várias maneiras, como a destruição da humanidade por uma pandemia venenosa ou então um cataclismo destruidor dos vivos vertebrados. Ninguém sabe. Há milhões de anos atrás, muitos seres vivos como os dinossauros que dominavam nosso planeta foram extintos, porém a Terra permaneceu e uma nova evolução de seres vivos surgiu até o aparecimento do ser humano. Hoje em dia a humanidade é quem “gerencia” o planeta. Recordemos a fala do profeta que, no fim do mundo, “os que tiverem sido sábios, brilharão como o firmamento; e os que tiverem ensinado a muitos homens os caminhos da virtude, brilharão como as estrelas, por toda a eternidade”. Portanto, devemos estar atentos para os que vierem depois de nós. É isso que importa, pois não sabemos nem o dia e nem a hora!

No ano 70 da era cristã, cerca de 40 anos depois da Ressureição de Jesus, a cidade de Jerusalém foi tomada pelos Romanos e destruída. Muitos cidadãos da cidade pensavam que era o fim dos tempos anunciado por Jesus, mas tratava-se apenas de uma “amostragem”. Muitos foram mortos, porém o evento era apenas a virada de uma página da história.

Daqueles que perderam a vida, algumas foram jogados como pessoas descartáveis por conta de seus pecados. Outras pessoas, as que pertenciam ao Reino de Deus, foram “recicladas” por Jesus e, perdoadas dos seus pecados, começaram a brilhar na eternidade divina. Todos esses que foram salvos são os que fazem parte da Liturgia da festa de TODOS OS SANTOS.

A verdade é que, de tudo o que existe, nada vai ficar para sempre. Uma flor dura alguns dias. Uma árvore chega até 100 anos. Muitas coisas que fabricamos também duram pouco: televisores, celulares, carros etc., tudo isso envelhece e depois é descartado. Há monumentos que resistem ao tempo durante milhares de anos. Hoje o “Paradise[1]” da Califórnia está se acabando. Catedrais foram destruídas por tempestades, terremotos e guerras. Barragens romperam inundando cidades matando muita gente. Tudo é efêmero e todos nós somos mortais. O nosso último dia de vida será para cada um de nós o nosso fim do mundo.

Lembremos de novo o profeta Daniel: “os que tiverem sido sábios brilharão como também os que tiverem ensinado a muitas pessoas os caminhos da virtude, também brilharão por toda a eternidade”. Foi apenas uma comparação que o profeta fez porque algumas estrelas já explodiram desaparecendo. A filosofia ensina que o que é espiritual pode durar para sempre. Uma fórmula matemática é algo quase espiritualizado, não vista e nem escrita, só falada.  Portanto, ela pode ser guardada para sempre. O nosso código genético pode ser guardado durante séculos. Hoje podemos conhecer o DNA dos restos mortais de uma pessoa e assim identificá-la.

Jesus nos prometeu Vida Eterna e não apenas imortalidade. Penso ainda que Jesus veio para fazer passar os homens e as mulheres da condição de seres “descartáveis” para “recicláveis”. A nossa reciclagem já começa neste mundo. Pela graça de Jesus Cristo somos seres em processo de reciclagem e, no final da nossa vida terrena, poderemos ser reciclados pela ressurreição e viver eternamente felizes. Há uma condição: para passar da morte para a vida eterna precisamos estar em estado de graça e de coração aberto à misericórdia de Deus. Só assim seremos SALVOS.

Lembremos ainda da carta aos Hebreus desta liturgia em que lemos: “Onde existe o perdão, já não se faz oferenda pelo pecado”. É que o perdão de Jesus é definitivo. Deus deleta, isto é, apaga as ofensas perdoadas e não as lembra mais. A Palavra de Deus vale para sempre! Como é dito por Jesus no evangelho deste domingo: “O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão”.

Pensar assim, eu não acho impossível.


[1] Paradise é uma vila localizada no estado norte-americano da Califórnia, no condado de Butte. Foi incorporada em 27 de novembro de 1979.

Grande parte de Paradise foi destruída pelo fogo em 8 de novembro de 2018, depois que foi atingida por um incêndio florestal, deixando ao menos 63 mortos e destruindo 7.177 construções, das quais 6.453 eram residências.


 Pe. Lourenço, CSC

 

Comunicação

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *