O Domingo: 27º Domingo Do Tempo Comum

Primeira Leitura (Gn 2,18-24)

Leitura do Livro do Gênesis:

O Senhor Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só. Vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele”.

Então o Senhor Deus formou da terra todos os animais selvagens e todas as aves do céu, e trouxe-os a Adão para ver como os chamaria; todo o ser vivo teria o nome que Adão lhe desse.

E Adão deu nome a todos os animais domésticos, a todas as aves do céu e a todos os animais selvagens; mas Adão não encontrou uma auxiliar semelhante a ele.

Então o Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão. Quando este adormeceu, tirou-lhe uma das costelas e fechou o lugar com a carne. Depois, da costela tirada de Adão, o Senhor Deus formou a mulher e conduziu-a a Adão.

E Adão exclamou: “Desta vez, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada ‘mulher’ porque foi tirada do homem”.

Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e eles serão uma só carne.

Salmo – Sl 127,1-2.3.4-5.6 (R. cf. 5)

R.O Senhor te abençoe de Sião, cada dia de tua vida.

1Feliz és tu se temes o Senhor*
e trilhas seus caminhos!
2Do trabalho de tuas mãos hás de viver,*
serás feliz, tudo irá bem!R.

3A tua esposa é uma videira bem fecunda*
no coração da tua casa;
os teus filhos são rebentos de oliveira*
ao redor de tua mesa.R.

4Será assim abençoado todo homem*
que teme o Senhor.
5O Senhor te abençoe de Sião,
cada dia de tua vida,*
para que vejas prosperar Jerusalém,R.

6E os filhos dos teus filhos.
 Senhor, que venha a paz a Israel,*
que venha a paz ao vosso povo!R.

Segunda Leitura (Hb 2,9-11)

Leitura da Carta aos Hebreus:

Irmãos: Jesus, a quem Deus fez pouco menor do que os anjos, nós o vemos coroado de glória e honra, por ter sofrido a morte. Sim, pela graça de Deus em favor de todos, ele provou a morte.

Convinha de fato que aquele, por quem e para quem todas as coisas existem, e que desejou conduzir muitos filhos à glória, levasse o iniciador da salvação deles à consumação, por meio de sofrimentos. Pois tanto Jesus, o Santificador, quanto os santificados, são descendentes do mesmo ancestral; por esta razão, ele não se envergonha de os chamar irmãos.

Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos (Mc 10,2-16)

Naquele tempo, alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher.

Jesus perguntou: “O que Moisés vos ordenou?”

Os fariseus responderam: “Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la”.

Jesus então disse: “Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento. No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu o homem não separe!”

Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. Jesus respondeu: “Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. E se a mulher se divorciar de seu marido e se casar com outro, cometerá adultério”.

Depois disso, traziam crianças para que Jesus as tocasse. Mas os discípulos as repreendiam. Vendo isso, Jesus se aborreceu e disse: “Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas. Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele”. Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mãos.

Reflexão

No 2° relato da criação – o mais antigo, escrito cerca de 900 anos a.C. — Deus é comparado a um oleiro perfeito que acariciou o barro da terra e tirou da argila o ser humano: Adão (palavra que quer dizer “tirado do barro”). Dando nome a todos os seres criados, Adão se torna o gerente de toda a criação, porém, não tem com quem se relacionar de igual a igual – não há nenhum ser vivo parecido com ele. Nem cachorro serve. Deus, então completa sua obra tirando a mulher do lado do homem e de agora em diante ela ficará ao Iado dele, igual a ele em todos os sentidos e direitos. Ela não foi tirada do braço para fazer todos os serviços domésticos, não foi do joelho, da perna, do pé para ficar abaixo dele; ela não é a serva do homem, mas também não um ídolo de Adão.

Jesus hoje fez alusão ao Matrimônio como sendo um compromisso permanente. Não é descartável, pois é uma união feita na carne, tornado-se um só corpo. Amar no casamento é encontrar na felicidade da pessoa amada a própria felicidade. É preciso conjugar tudo da vida com os verbos do amor: dar e doar, ajudar, cuidar, agradar, fecundar, mudar e perdoar. Esse “perdoar” é muito bonito na teoria, mas na prática é difícil acontecer. Conjugando duas vidas assim com o DAR e o DOAR é possível para um casal comprometer-se no Sacramento do Matrimônio.

No Evangelho, Jesus também nos leva a refletr sobre mais um Sacramento, aquele que a Igreja oferece para entrar no Reino de Deus: o Batismo, o 1º compromisso do cristão. O Batismo deve ser ministrado a adultos convertidos antes de tudo, ou ainda a filhos e filhas de pais comprometidos na Igreja de Jesus Cristo, na comunidade dos seus discípulos e no matrimônio.

As crianças pequenas cujos pais têm pouca fé e nenhum compromisso com a Igreja não precisam ser batizadas porque não serâo educadas para crescer na fé. Jesus ama muito todas as crianças, batizadas ou não.

Hoje Ele disse: “Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas”. Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mâos. Mas Jesus não batizou nenhuma delas.

Nós, também, queremos abençoar todas as crianças como Jesus fez. Porém, batizar somente aquelas cujos pais se acham capazes de fazer delas verdadeiras discipulas de Jesus Cristo, cristãs integradas na comunidade da Igreja. Se não há compromisso da família, o efeito do Batismo será mínimo, imperceptível, insignificante, apenas uma semente depositada, mas sem condições de brotar. Crescer e dar frutos.

Para os recém batizados, o Pós-batismo tem que ser uma vida nova. Para que isso aconteça é preciso rezar e seguir os passos e ensinamentos de Jesus. lsso é dever dos pais e dos padrinhos. Chega de ver tantos batizados abandonados e que nâo ouviram falar do Pai do Céu.

Deus não abandona crianças não batizadas. É Jesus quem disse: “Não desprezem nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos cêus vêm sem cessar a face do meu Pai que estâ nos céus”.


 Pe. Lourenço, CSC

 
Comunicação

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *