Pe. José Paim: Memória de Nossa Senhora das Dores

Estamos próximos da memória litúrgica de Nossa Senhora das Dores, celebrada todos os anos em 15 de setembro, subsequente à Festa da Exaltação de Santa Cruz. À memória de Nossa Senhora das Dores une-se a Sexta-feira de Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, dia em que ele se entregou ao Pai pela humanidade e nos salvou do pecado e da morte. Na Sexta-feira da Semana Santa nos unimos aos padecimentos da Virgem Maria, aquela que na hora da morte de Jesus Cristo se unia de modo ímpar e ele, pronunciando o seu sim no silêncio do coração, ainda que trespassado pela dor de vê-Lo morrer na cruz, aceitando com ele o cumprimento da vontade do Pai em obediência total e filial, que aponta para a vitória genuína que destrói o mal e a morte.

Dos padecimentos da Virgem, a piedade popular colheu o que hoje muitos conhecem e rezam como as “sete dores” de Maria. A primeira dor está ligada à profecia de Simeão a respeito da espada que trespassará o coração de Maria (cf. Lc 2,35); a segunda dor no recorda a fuga de José e Maria com Jesus para o Egito (cf. Mt 2,13-23); a terceira dor, lembra os três dias que Maria e José procuram Jesus e o reencontram no Templo (cf. Lc 2,41-50; a quarta dor, nos reporta ao encontro de Maria com Jesus indo para o Calvário (cf. Jo 19,25); a quinta, a sexta e a sétima dores nos levam a contemplar os últimos momentos de Jesus Cristo e sua agonia final, isto é, a morte de Nosso Senhor, sua descida da cruz e seu sepultamento. Nestes últimos momentos da existência terrena do Filho, a Mãe permaneceu, como em toda sua vida, unida a ele. Faz-nos bem, especialmente em tempos difíceis e de provação, como os dias atuais, meditar a vida do Filho na companhia de Nossa Senhora.   

O que está recolhido na piedade popular é fruto do que a Igreja medita em Maria, à luz das Sagradas Escrituras e da Tradição da Igreja, sobre o seu mistério materno divino, de mãe e figura da Igreja, que pode ser visto por nós em Jo 19,25-27, evangelho lido na liturgia da memória de Nossa Senhora das Dores e posteriormente no n. 63 da Lumem Gentium, documento do Concílio Vaticano II.

No quarto evangelho, Nossa Senhora é mencionada duas vezes e em dois momentos altos da vida de Jesus Cristo. A primeira no início do ministério público de Jesus, nas bodas em Caná da Galileia (cf. Jo 2,1-11) e a segunda no fim da vida pública dele, na hora de sua crucificação (cf. Jo 19,25-27). Entre uma cena e outra é possível ver paralelismos que nos possibilitam entender a participação íntima de Maria na vida de Jesus Cristo, o que reforça para nós o dom de sua maternidade divina e sua missão como Mãe da Igreja e nossa Mãe, ela que continua a nos acompanhar com sua intercessão maternal em nossas dores e dificuldades diárias.

Em Caná, Maria é mencionada por João como a mãe de Jesus e o Filho a chama de mulher. Como mãe, atenta às necessidades da comunidade, no vinho que veio a faltar, ela pede a Jesus e mostra o Filho aos serventes para que a abundância da alegria de Deus se manifestasse na vida do Israel crente. Claro que o relato aponta para a revelação de Jesus como o Esposo da comunidade reunida esperando o seu Senhor, mas também podemos ver aqui a participação de Nossa Senhora na antecipação da hora do Filho em favor da humanidade carente de dignidade, pecadora, privada de amor, tentada ao desânimo.

Na consumação da vida terrena de Jesus, Maria é novamente referenciada pelo evangelista como a mãe de Jesus e mais uma vez o Filho a chama de mulher e também de mãe quando a entrega ao discípulo amado. O gesto de Jesus de entregar Maria por mãe ao discípulo amado não é mera piedade filial, mas aponta para algo maior, isto é, para a missão dela como Mãe da Igreja, nascida ali na sua morte e ressurreição e por consequência, como nossa mãe. Assim como o Pai revelou o seu amor pelo Filho (cf. Mt 3,17; Mc 9,2-13), Jesus Cristo na chegada de sua hora testemunha o seu amor pela Mãe, aquela que em tudo o agradou. Tudo que Maria viveu, fez e disse foi em perfeita união com Jesus Cristo, inclusive desde a concepção do Verbo divino no seu seio virginal, até o calvário, quando a união da Virgem de Nazaré com seu Filho alcança seu apogeu.

Nesse sentido, lê-se na Lumen Gentium: “Pelo dom e missão da maternidade divina, que a une a seu Filho Redentor, e pelas suas singulares graças e funções, está também a Virgem intimamente ligada, à Igreja: a Mãe de Deus é o tipo e a figura da Igreja, na ordem da fé, da caridade e da perfeita união com Cristo, como já ensinava S. Ambrósio” (n. 63).

Porque Nossa Senhora esteve em toda sua vida unida a Jesus Cristo, também no sofrimento dele na cruz, ela participa ativamente em nossas vidas, nas dores da humanidade, na vida dos que padecem e nos ensina que as dores do tempo presente não se encerram em si mesmas, mas tem seu sentido pleno no mistério pascal de Jesus Cristo, na oferta generosa de sua vida ao Pai por nós.

Ao fazer memória de Nossa Senhora das Dores peçamos que o Senhor reavive em nós a firmeza da fé e da esperança a fim de vivermos em tudo unidos a Jesus Cristo. Peçamos também a Deus, à semelhança de Maria, a graça da sensibilidade, da compaixão e da proximidade nossa aos seres humanos que mais sofrem nos dias atuais. Pensemos, por exemplo, em tantas mães que, a exemplo de Nossa Senhora, perdem seus filhos de modo brutal, neste mundo de tanta violência; pensemos em tantas formas de preconceitos e exclusão que matam e destroem; pensemos nas famílias que perderam seus entes queridos neste tempo de pandemia e peçamos ao Senhor que nos dê a graça de aprender com Nossa Senhora a permanecer unidos a Jesus Cristo e de participar ativamente na vida dos que sofrem.

Agradeçamos também a Deus por ter inspirado o Beato Basílio Moreau para a fundação da Congregação de Santa Cruz e por nos ter dado Nossa Senhora das Dores como nossa Padroeira. Deus conceda a todos nós, religiosos em Santa Cruz, a graça de renovar nossa vocação e nos comprometer com a missão de anunciar ao mundo que a Cruz de Cristo é nossa única esperança, de formar mentes e corações para Deus e para a sociedade e de, como Nossa Senhora das Dores, nos fazer presentes na vida das pessoas, especialmente dos mais necessitados, de colaborar ativamente na construção e um mundo melhor, mais justo e fraterno. Por fim, que o Senhor envie à Igreja e à Congregação de Santa Cruz jovens que queiram doar suas vidas para o serviço do Evangelho.

Nossa Senhora das Dores!

Rogai por nós!


Pe. José Paim, CSC

Comunicação

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *