Dia dos Avós: quando celebramos o amor em dobro

Reprodução: Vatican News

Os avós são a prova de que o amor se renova e cresce quando regado e estimado. Para o Papa Francisco, os idosos devem ser celebrados como guardiões de nossas raízes e de nossas memórias afetivas. Os avós são contadores de história natos, e têm a clara habilidade de entreter e divertir seus amados netos, trazendo a eles toda sua sabedoria e carinho.

Por isso, o Pontífice instituiu uma data exclusiva para celebrar os vovôs e vovós: o quarto domingo de julho. Em 2021, hoje: dia 25 de julho. “O Espírito Santo ainda desperta pensamentos e palavras de sabedoria entre os idosos: sua voz é preciosa porque canta os louvores de Deus e conserva as raízes dos povos”, afirmou Francisco ao instituir a data.

 A escolha da data foi inspirada na Festa de Apresentação de Jesus ao Templo, em que Simão e Ana, “iluminados pelo Espírito Santo, reconheceram Jesus como Messias”. Neste tempo em que, por segurança, os idosos permaneceram um tanto isolados, na tentativa   de controlar a contaminação pelo novo Corona vírus, é hora de trazê-los, ao menos no plano da homenagem e da reverência, de volta à essência das relações familiares, para, como ensina Francisco, “conservar e transmitir nossas raízes”.  

Por isso, é importante celebrá-los em todos os momentos, e dedicar-lhes um dia é uma forma de homenagear sua trajetória de vida e tudo o que eles têm para ensinar. Que os netos e seus avós possam tirar proveito de cada instante passado em harmonia, cultivando um amor incondicional – afinal, como os próprios idosos costumam dizer, “avô é pai duas vezes”. 

Comunicação

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *